Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Paulo Casaca promove debate sobre "Etnia e Direitos Humanos no Irão"

A preocupante situação das minorias étnicas no Irão e as sistemáticas, generalizadas e graves violações dos direitos humanos praticadas pelo regime de Teerão constituem os temas centrais de um debate que o deputado Paulo Casaca promove amanhã, pelas 16h00, nas instalações do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

 
Contrariamente ao entendimento geral, o Irão está longe de ser uma nação homogénea. É, de facto, um país multi-étnico composto por Azerbaijanis, Persas, Árabes, Curdos, Balúchis, Turcomenos, Bakhtiari e muitas outras minorias.
 
No entanto o regime iraniano tem insistido numa política de não respeito pelas minorias país, designadamente através da repressão do uso da língua e de outras expressões de cultura.
 
Esta deplorável atitude de Teerão viola os princípios consagrados na Declaração da Assembleia Geral das Nações Unidas, aprovada em 1992, sobre os "direitos das pessoas pertencentes a minorias nacionais ou étnicas, religiosas e linguísticas" que, entre outras disposições, exige que "os Estados devem proteger a existência e identidade de minorias nacionais ou étnicas, culturais, religiosas e linguísticas dentro dos seus respectivos territórios", através da adopção de "medidas apropriadas, legislativas ou de outro tipo, para a persecução desses objectivos".
 
Promover a coexistência pacífica de minorias étnicas e fomentar, através de uma atitude pró-activa, os valores da liberdade e da democracia, são os principais objectivos deste debate que será moderado por Paulo Casaca e Ahmad Obali, da Comissão para as Relações Internacionais do Congresso Mundial dos Azerbaijanis, e que contará com a participação de representantes de várias outras organizações das comunidades Árabe, Turcomena e Azerbaijani.
publicado por nx às 16:50
link do post | comentar | favorito

Paulo Casaca promove discussão de programa nuclear iraniano

O deputado Paulo Casaca promove amanhã, dia 9 de Setembro, pelas 08h30, em Bruxelas, um debate sobre o programa nuclear iraniano.

 
A iniciativa é promovida pelo Grupo de Alto Nível do Fórum Europeu para o Próximo Oriente (Europe Near East Forum, no seu acrónimo inglês), do qual fazem parte deputados europeus, especialistas e representantes da sociedade civil, e que amanhã se reúne pela primeira vez.
 
Refira-se que 35% do total das importações do Irão provêm da União Europeia. A economia iraniana está hoje dependente do fornecimento de peças e bens industriais europeus, pelo que a aplicação de sanções económicas por parte da Europa é encarada como o único meio pacífico para pôr fim ao pesadelo da "bomba iraniana".
 
A natureza deste dilema, que evidencia a possibilidade de virem a ser consideradas no futuro outras opções em resultado dos fracassos obtidos pela via diplomática, é ilustrada em detalhe num relatório da autoria de Kassem Ja'afar, principal orador do encontro.
 
Actual consultor diplomático no Qatar, com formação em História do Médio Oriente e em Estudos de Guerra, Kassem Ja'afar foi, durante os anos 80, Co-Editor da publicação "Análise Estratégica", especializada em questões de defesa. Tendo assumido as funções de correspondente da BBC para o Médio Oriente por mais de uma década, Kassem Ja'afar é também autor e co-autor de vários livros e artigos sobre defesa do Médio Oriente, diplomacia e assuntos afins.
tags: , ,
publicado por nx às 11:19
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Setembro de 2008

Ethnicity and Human Rights in Iran

Azerbaijanis, Arabs, Turkmen and other ethnic minorities

A Hearing on human rights abuses in Iran
 
After two world wars and millions of lives sacrificed during the first half of 20th century, European nations have formed the largest and greatest union to promote coexistence and peace based on mutual respect, human rights, freedom and democracy. 
Supremacy has been replaced by equality and wars to kill and conquer have been replaced by peace and cooperation.While Europe is enjoying the greatest respect for human values, the Middle East in general, and Iran in particular, is speeding towards one great disaster.
Contrary to general belief, Iran is not a homogeneous nation. It is in fact a multi ethnic country composed of Azerbaijanis, Persians, Arabs, Kurds, Baluchis, Turkmens, Bakhtiaries-Lurs and many religious minorities.  Based on the largest independent linguistic/ethnic academic research group, ethnologue,[1] and the UN Special Rapporteure/ Representative on Islamic Republic of Iran reporting to UN General Assembly[2][3]Azerbaijanis are the largest ethnic group in Iran followed by Persians, Arabs and other national groups. The Iranian government has taken exceedingly hostile steps against all non-Persian ethnic groups in the country. The Iranian government has pursued systematic assimilation by repressing the use of language and expressions of culture other than Persian. ,
The Declaration on the Rights of Persons Belonging to National or Ethnic, Religious andLinguistic Minorities[4] protects ethnic and linguistic rights. It demands “states shall protect the existence and national or ethnic, cultural, religious and linguistic identity of minorities within their respective territories..." and "... states shall adopt appropriate legislative and other measures to achieve those ends". 

 

Azerbaijanis, the largest group in the country estimated at about 25-30 million, are spread throughout Iran but mainly live in the North West of Iran. Arabs live in the historic Arab lands in South West Iran and Turkmen live in their historic lands of Turkmanistan (bordering republic of Turkmanistan). Iran is bordering three members of Council of Europe, Republic of Azerbaijan, Armenia and Turkey and horrific fear that the Iranian government‘s forced assimilation policy towards all its non-Persian ethnic groups creates conditions which well may result in disaster is magnified by each days passed. Europe could be affected by waves of violence, political instability, chaos and lingering lack of security, all at its doorsteps.  

 

This hearing will concentrate on a proactive approach for a possible roadmap to promote peaceful coexistence, freedom and democracy for all.  
 

Representatives of South Azerbaijani, Arab and Turkmen organizations will present the latest situation related to their respective ethnic groups in Iran.

 
 

[1] ( 1997 estimate),  http://www.ethnologue.com/show_country.asp?name=IR

[2] A/56/278 General Assembly

[3] http://www.un.org/documents/ga/docs/56/a56278.pdf

[4] http://www.ohchr.org/Documents/Publications/GuideMinoritiesDeclarationen.pdf

 

 

 

 

September 10, 16:00, Room ASP 3H1, European Parliament, Brussels

 

 

 

 
Moderated by Paulo Casaca, MEP and Ahmad Obali, World Azerbaijanis Congress, Committee on International relations
 
publicado por nx às 11:41
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Maio de 2008

O relógio nuclear não pára...

Segundo a AIEA (Agência Internacional de Energia Atómica) o Irão continua a ignorar os apelos do Conselho de Segurança da ONU para suspender as suas actividades de  enriquecimento de urânio. A AIEA afirma no relatório que Teerão continua, apesar das sanções e dos avisos europeus, os seus «estudos» de militarização do seu programa nuclear, incluindo a fabricação de ogivas, a possível conversão do míssil Shahab-3 em vector de arma nuclear e instalações para ensaios nucleares subterrâneos.

O regime islâmico persiste em afirmar que o seu programa nuclear visa fins civis e pacíficos. A agência, no entanto, diz que «contrariamente às decisões do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Irão não suspendeu as suas actividades de enriquecimento de urânio».

tags:
publicado por nx às 12:49
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Maio de 2008

Hipocrisia

O maior parceiro comercial do Irão é a Alemanha que exportou no ano passado 4 bilhões de euros para a república iraniana. O Dr. Matthias Kuntzel da Universidade de Hamburgo é um perito nas relações Berlim – Teerão, e um dos principais activistas na campanha contra esta política. Ele participou de uma conferência no início deste mês em Berlim sobre o Fórum Berlinense sobre a Liberdade do Oriente Médio, uma coalizão entre organizações judaicas e não-judaicas, com o propósito de demonstrar a extensão dos laços entre os dois países. “Enquanto a Chanceler Angela Merkel e seus ministros de gabinete compareceram a uma sessão conjunta com o gabinete israelense em Jerusalém, e ressaltou o comprometimento deles com a existência continuada de Israel”, relatou Kuntzel ao Haaretz, “As empresas alemãs continuam a fazer negócios com o Irão. Não pode haver maior hipocrisia”. Na Conferência ele apresentou dados mostrando que mais que 1.750 empresas vendem maquinaria avançada

Hipócritas transacionam com Ahmadinejad
e outros equipamentos para as indústrias do petróleo, têxtil, plástico e gráficas iranianas. Os maiores exportadores são a Siemens e a Linde, e Kuntzel afirma que fornecem equipamentos essenciais que o Irão pode também utilizar no seu programa nuclear. Kuntzel afirma que cerca de 40% das importações do Irã da Comunidade Europeia são da Alemanha. “Empresários na Alemanha afirmam que caso não vendam para o Irão, nossa economia sofrerá” diz ele. “Mas é uma mentira deslavada. Se cessarmos nossos laços comerciais com o Irão, isto afectará somente a metade de um por cento de todas as nossas exportações, mas acarretará danos irreparáveis ao Irão. A Alemanha tem que entender que a menos que sanções severas e efetivas sejam impostas ao Irão, a opção que restará será a guerra”.

publicado na Rua Judaica

 

publicado por nx às 11:09
link do post | comentar | favorito

Ameaças de Ahmadinejad

O Presidente do Irão Mahmoud Ahmadinejad afirmou na semana passada que “Israel está morrendo e as celebrações do 60º Aniversário são uma tentativa de evitar a sua aniquilação”. Estes comentários foram proferidos na ocasião que o presidente George W. Bush estava em Israel como orador principal para as celebrações do Aniversário do Estado Judeu. O Presidente linha dura iraniano utilizou uma palavra árabe, Ismihalal, que pode ser traduzida como destruição, morte e colapso. O Irão não reconhece Israel e Ahmadinejad repetidamente conclama a destruição de Israel. As trocas de ameaças entre o Irã e Israel se intensificaram, a partir de 2005, quando Ahmadinejad declarou num discurso que Israel será um dia “varrido do mapa”. O líder iraniano também alegou que o Holocausto foi um “mito”. Israel considera o Irão como uma séria ameaça devido ao seu programa nuclear e ao seu arsenal de mísseis de longo alcance que podem transportar artefatos nucleares e capazes de atingir o Estado de Israel. Teerão está equipado com mísseis Shahab-3 que tem o alcance de até 2.000 quilômetros, e Israel está a cerca de 1.000 quilômetros a oeste do Irão.

publicado na Rua Judaica

publicado por nx às 11:02
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Reviver Praga

  Paulo Casaca

Apenas saído do avião no Aeroporto Internacional de Beirute, mesmo à entrada da manga, fui logo interceptado, convidado a descer umas escadas e a entrar num Mercedes que, ziguezagueando entre aviões e viaturas aeroportuárias, me levou a um grupo de militares que nos próximos dias não me largaram.

Foi assim que eu entrei em Beirute, há uns anos atrás, e isto porque, como me explicaram os meus amigos, a "segurança" do aeroporto estava nas mãos do Hizbullah, ou seja, do mais notório dos grupos terroristas a mando de Teerão.

Em Maio deste ano, o Governo libanês parece ter tido a veleidade de querer parar com este estado de coisas em que o principal aeroporto do país serve de placa giratória a todo o tipo de armamento e de profissionais do terrorismo. Essa veleidade custou-lhe a ocupação do país pelas hordas do Hizbullah dirigidas, treinadas e financiadas pelos guardas revolucionários iranianos que colocaram em prisão domiciliária os principais dirigentes do país, destruíram as infra-estruturas da comunicação social que não controlam, liquidaram dezenas de pessoas e, finalmente, aceitaram retirar-se quando receberam garantias de que não iriam voltar a ser incomodados.

Tudo isto foi presenciado, consentido e justificado não só por umas forças armadas libanesas paralisadas mas também por milhares de soldados europeus que estão no Líbano para supostamente garantir a paz mas que na realidade só conseguiram criar condições para a intensificação da guerra.

Tal como há setenta anos atrás se fez com a invasão e destruição da então Checoslováquia pelos Nazis, também agora os intrépidos arautos da política do apaziguamento explicam que o governo libanês tinha feito uma provocação, que se tratava de lutas entre facções libanesas, que finalmente nem tudo está tão mau assim porque as hostilidades pararam.

Há anos que venho alertando para o suicídio colectivo que representa a política ocidental do apaziguamento em relação à ameaça do fanatismo teocrático iraniano, de que o Líbano é apenas um dos palcos.

Há anos que venho alertando para a necessidade de abrir os olhos, de entender que não podemos vender a alma pelo petróleo, que o fanatismo islâmico não vai parar em Beirute.

O que vai ser preciso para que se entenda que o Líbano não é mais do que a antecâmara de todo o Médio Oriente, e este, do que se pode vir a passar em todo o mundo? 

publicado por nx às 12:16
link do post | comentar | favorito

A ameaça de holocausto nuclear em debate

  Paulo Casaca

Lado a lado com académicos, jornalistas e políticos, europeus, americanos, israelitas e iranianos, participei nos dias 2 e 3 de Maio em dois ciclos de conferências, a primeira em Berlim, promovida pelo Fórum para a Liberdade do Médio Oriente de Berlim, e a segunda em Viena, promovida pela plataforma política "Stop the Bomb" (parem a bomba).

Os pontos de vista expressos cobriram o espectro do que é o debate nos dias de hoje no Ocidente, com alguns a defender a sua preferência por uma política de apaziguamento, que é necessário oferecer ainda mais concessões ao regime iraniano para que este desista da bomba; outros partidários de um cenário de clara confrontação armada, nuclear, se tal for preciso, e finalmente outros, como eu, que tentaram mostrar a possibilidade de uma terceira via.

A terceira via que defendi no debate assenta em três vectores fundamentais.

O primeiro consiste na aplicação estrita das sanções económicas e diplomáticas decididas pelas Nações Unidas.

Contrariamente ao que se possa pensar, o domínio tecnológico do Ocidente é ainda muito grande e há muita coisa que a Rússia e a China não conseguem fornecer em condições competitivas. Mesmo se assumirmos que estes dois países não cooperarão totalmente no sistema de sanções, estas continuam a ser importantes. 

É claro que quanto mais coerentes e mais consistentes forem as sanções, mais estas serão eficazes.

O segundo vector é o do apoio à oposição política e à sociedade civil iranianas. Quanto mais depressa abandonarmos a política suicida de chamarmos terroristas às vítimas do terrorismo, na ilusão de que assim evitaremos sermos também vítimas, melhor.

O terceiro vector é o da contenção do expansionismo externo iraniano, contenção que tem de ser feita em toda a região, mas a começar exactamente pelo Iraque.

Estou em crer que o desenvolvimento integrado destas opções políticas poderá contribuir para a mudança de regime e dificultará fortemente o seu programa nuclear em particular e de promoção do terrorismo em geral.

Aquilo que me pareceu mais impressionante nestas conferências foi a mobilização e participação em massa de jovens estudantes universitários que parecem ter rompido finalmente com os dogmas do anti-semitismo e da condescendência com o fascismo religioso e nacionalista dominantes.

Em segundo lugar, destaco a participação de muitos representantes da oposição iraniana que decidiram iniciar um diálogo que é fundamental para a preservação da paz. 

Em terceiro lugar, e talvez o mais significativo, foi o esboçar de uma nova esquerda europeia virada para a defesa dos valores fundamentais das revoluções liberais e democráticas e dos movimentos de emancipação que se lhes seguiram.

Trata-se de uma nova esquerda, em estreita ligação com sectores democratas americanos e trabalhistas britânicos, mas que parece querer adquirir um centro de gravidade no coração do continente europeu, com perspectivas próprias.

O Grande Médio Oriente – em certa medida em concorrência com a China – tornou-se o principal palco de afrontamento da política ocidental, e estou em crer que é também aqui que se vão moldar as lógicas políticas dos principais actores no cenário internacional.  

publicado por nx às 12:12
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

Paulo Casaca fala sobre “A União Europeia, o Irão e a Eficiência de Sanções”

O Deputado Paulo Casaca foi convidado a participar em mais duas Conferências Internacionais sobre a problemática iraniana, deslocando-se a Berlim e a Viena de Áustria, nos dias 2 e 3 de Maio respectivamente, para abordar o tema “A União Europeia, o Irão e a Eficiência de Sanções”, no âmbito de dois eventos organizados pelo Fórum para a Liberdade no Médio Oriente (em Berlim) e a Coligação contra o Programa de Extermínio Iraniano – STOP THE BOMB (em Viena de Áustria).

 

Nos dois eventos, Paulo Casaca irá defender a necessidade de se repensar uma nova estratégia de combate ao que denomina de "imperialismo teocrático", que comece por apoiar a verdadeira oposição política e a sociedade civil, em detrimento da aposta em falsas alternativas reformistas.

 

A Europa tem sido incapaz de agir como uma força unida perante Teerão, nem mesmo em termos económicos. Um regime inteligente de sanções económicas e diplomáticas é uma peça essencial de qualquer estratégia fiável com vista a pôr termo à bomba nuclear do fanatismo, mas que só terá efeito se for conjugada com uma política de apoio à oposição política e social e de contenção ao expansionismo teocrático na região”, refere o deputado socialista.

 

Saliente-se que ainda na passada semana, Paulo Casaca apelou para que o Parlamento Europeu dê um sinal claro e inequívoco de apoio às mulheres iranianas na sua luta contra o regime teocrático iraniano, no âmbito de uma Resolução – de que foi co-autor – sobre a violação dos direitos das mulheres e que condena a crescente pressão com que se debatem os activistas defensores de igualdade entre homens e mulheres naquele país.

publicado por nx às 12:39
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Paulo Casaca condena regime iraniano pelo seu tratamento bárbaro das mulheres

O Deputado Paulo Casaca condenou hoje a deterioração geral dos direitos humanos no Irão no que concerne à situação das mulheres iranianas e à crescente pressão com que se debatem os activistas defensores de igualdade entre homens e mulheres naquele país.

 

Numa intervenção na Sessão Plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, no âmbito do debate de uma Resolução - de que é co-autor - sobre a violação dos direitos da mulher no Irão, o parlamentar socialista lembrou os intoleráveis episódios de perseguição movidos contra activistas da Campanha "Um Milhão de Assinaturas" -  movimento que tem levado a cabo esforços pacíficos em prol da alteração do actual quadro legislativo, do qual já foram presas, nos últimos dois anos, uma centena de activistas - e apelou para que o Parlamento Europeu dê um sinal claro e inequivoco de apoio às mulheres iranianas na sua luta contra o regime teocrático iraniano.

 

No debate muito participado, em que foi saudado o exemplo da Presidente da Resistência Iraniana, Maryam Rajavi, que hoje mesmo realizou uma conferência na Assembleia Parlamentar Europeia, as práticas discriminatórias do regime iraniano foram unanimemente condenadas.

 

O documento aprovado condena vivamente os actos de repressão contra os movimentos da sociedade civil no Irão, incluindo activistas dos direitos das mulheres, exortando as autoridades daquele país a porem termo ao assédio, intimidação e perseguição de pessoas que exercem pacificamente o seu direito à liberdade de expressão e a procederem à libertação imediata e incondicional de todos os prisioneiros de consciência.

 

A Resolução exorta ainda o Parlamento e Governo iranianos a alterarem a legislação discriminatória em vigor no país que afasta as mulheres da maioria dos altos cargos de Estado e do acesso à magistratura, que lhes sonega direitos iguais aos dos homens no casamento, divórcio, guarda de filhos e direitos sucessórios e que determina que todo e qualquer depoimento proferido em tribunal tem apenas metade do valor do de um homem.

 

Salienta-se igualmente o facto do Irão continuar a registar o número mais elevado de execuções de menores no mundo, encorajando-se à aplicação imediata de uma moratória num quadro de firme condenação da pena de morte.

 

O Conselho e a Comissão são instados a acompanharem atentamente a situação dos direitos humanos no Irão, abordando casos concretos de violações, e a apresentarem ao Parlamento, no segundo semestre de 2008, um relatório circunstanciado sobre a matéria.

publicado por nx às 16:11
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

Paulo Casaca em várias iniciativas sobre a situação iraniana

 

Na sua qualidade de Co-Presidente do Intergrupo "Amigos de Um Irão Livre", o Deputado Paulo Casaca vai participar nos próximos dias em várias iniciativas em que estará em causa a situação do Ocidente perante o Irão.

 

No próximo dia 24 de Abril, em Estrasburgo, Paulo Casaca participa num seminário destinado a debater as "Relações entre a União Europeia e o Irão: Perspectivas de Mudança Democrática".

 

A iniciativa promovida pelo Comité Francês para um Irão Democrático e pelos "Amigos de um Irão Livre" terá lugar nas instalações da Associação Parlamentar Europeia (APE), pelas 9h30, e contará com a presença, entre outros, do Vice-Presidente do Parlamento Europeu, Alejo Vidal Quadras, e do Presidente do Conselho Regional da Alsácia, Adrien Zeller. Na ocasião, Paulo Casaca abordará a relação do Irão com o fanatismo islâmico.

 

Na tarde do mesmo dia, Paulo Casaca usará da palavra na Plenária do Parlamento Europeu como co-autor de uma resolução sobre "a situação dos direitos humanos das mulheres no Irão" onde se condena a misoginia do regime teocrático e a violenta repressão que tem exercido sobre as mulheres iranianas.

 

No dia 30 de Abril, Paulo Casaca dará continuidade ao ciclo de conferências virtuais que se encontra a promover com recurso ao “Second Life”, programa que liga diariamente cerca de 10 milhões de utilizadores em todo o mundo. “Irão e o Fanatismo Islâmico” será o mote para o evento que, como habitualmente, irá realizar-se a partir do Gabinete do Deputado, Ponta Delgada, pelas 21h30 (UTC).

 

Nos dias 2 e 3 de Maio, o parlamentar socialista foi convidado a participar em mais duas Conferências Internacionais sobre a problemática iraniana, deslocando-se a Berlim no dia 2 e a Viena de Áustria no dia 3, para abordar o tema “A União Europeia, o Irão e a Eficiência de Sanções”, no âmbito de dois eventos organizados pelo Fórum para a Liberdade no Médio Oriente (em Berlim) e a Coligação contra o Programa de Exterminação Iraniano – STOP THE BOMB (em Viena de Áustria).

 

Na ocasião, Paulo Casaca irá defender a necessidade de se repensar uma nova estratégia de combate ao imperialismo teocrático, que comece por apoiar a verdadeira oposição política e a sociedade civil, em detrimento da aposta em falsas alternativas reformistas.

 

A Europa tem sido incapaz de agir como uma força unida perante Teerão, nem mesmo em termos económicos. Um regime inteligente de sanções económicas e diplomáticas é uma peça essencial de qualquer estratégia fiável com vista a pôr termo à bomba nuclear do fanatismo, mas que só terá efeito se for conjugada com uma política de apoio à oposição política e social e de contenção ao expansionismo teocrático na região”, refere o deputado socialista.

publicado por nx às 11:28
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

O Irão e a Al-Qaeda

Paulo Casaca

Uma série de comentadores internacionais, seguidos de forma mais ou menos fidedigna por muitos outros a nível nacional, resolveram reagir a comentários triviais de John McCain relativos ao apoio dado pelo Irão à Al-Qaeda com tonitruantes declarações reclamando a retracção dessas afirmações.

Curiosamente, o líder operacional da Al-Qaeda, o egípcio Ayman Al-Zawahiri, já no final de Dezembro de 2007, numa entrevista produzida pela sua companhia multimédia Al-Sahab (in MEMRI n.º 1787 - 18 de Dezembro de 2007), procurava transmitir essa ideia: não negando explicitamente a existência da ligação Irão-AlQaeda no passado – e ninguém que saiba do que está a falar poderá negar com um mínimo de credibilidade essa ligação – procurava-se passar a ideia de que a Al-Qaeda tinha rompido com o Irão, que teria "apunhalado a Nação Islâmica nas costas".

Aparentemente, há quem embarque num raciocínio simplista: se foi com base em informações relativas à ligação entre Saddam Hussein, a Al-Qaeda e armas de destruição maciça (que se vieram a revelar falsas) que foi desencadeada a guerra do Iraque, se quisermos evitar a guerra com o Irão, o que há a fazer é negar que este tenha ligações à Al-Qaeda ou a armas de destruição maciça.

Subjacente a esta preocupação está a lógica de que os fins justificam os meios, em vez da lógica de que, só na base da verdade e nada mais que na base da verdade, é possível informar com rigor e seriedade e evitar desastres como o iraquiano.

Existe um volume enorme de informação independente sobre as ligações entre o regime iraniano e a Al-Qaeda, o que não quer dizer que não subsistam grandes áreas de sombra e de dúvida quanto à intensidade e natureza dessas relações.

Al-Zawahiri é partidário da repetição no Egipto de uma revolução islâmica como a do Irão e teve sempre relações próximas com esse país, continuando a ser hoje, na Al-Qaeda, o principal elo de ligação a Teerão, sendo que há quem entre os analistas internacionais esteja convencido que a sua base de operações actual se encontra mesmo no Irão.

Em qualquer caso, a organização de Al-Zawahiri, a Al-Jihad, só adere formalmente à Al-Qaeda no final da década de noventa, já de regresso ao Afeganistão, embora tenha mantido entretanto uma estreita colaboração com Bin Laden.

É o sucesso dos atentados de 1983 do Hezbollah que matam centenas de soldados dos EUA e da França, levando ambos estes países a deixar o Líbano, que convence Bin Laden a aderir ao terrorismo suicida. É o histórico líder terrorista do Hezbollah, Imad Mugnyah, que contrata com Bin Laden o treino dos operacionais da Al-Qaeda nas técnicas do terrorismo suicida.

O regime teocrático iraniano é o inventor do terrorismo suicidário moderno e fez a sua disseminação à escala mundial através do Hezbollah libanês (até os Tigres Tamil se inspiraram no Hezbollah) e dos grupos terroristas iraquianos instalados no Irão na sua vizinhança ocidental.

Com o advento dos talibãs no Afeganistão, que hostilizam o regime iraniano, e o regresso da Al-Qaeda a esse país, as relações entre o Irão e a Al-Qaeda parecem esfriar, mas a partir da operação aliada contra o Afeganistão existem provas insofismáveis de que numerosos dirigentes da Al-Qaeda se refugiam no Irão, e que alguns deles desencadeiam operações terroristas no vizinho Iraque.

Entre estes encontram-se os dirigentes do Ansar-al-Islam, que se instala na fronteira do Irão com o Curdistão iraquiano, e Al-Zarkaoui, que vai depois tornar-se o dirigente da Al-Qaeda no Iraque.

O apoio do regime iraniano à Al-Qaeda no Iraque e o terrorismo brutal desta organização contra os iraquianos em geral, e em particular contra as populações de áreas maioritariamente sunitas, leva a generalidade dos insurrectos sunitas iraquianos a inverter a sua política de alianças, procurando apoio dos EUA para combater a Al-Qaeda e outros grupos terroristas treinados, financiados e apoiados por Teerão.

Existem a esse propósito inúmeros testemunhos públicos, entre os quais podemos citar uma recente entrevista com os dirigentes do Hamas-Iraque (in MEMRI n.º 1890 - 8 de Abril de 2008).
publicado por nx às 11:25
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Março de 2008

Conferência Internacional [Alemanha] sobre a Ameaça Iraniana

Business as usual?
The Iranian regime, the holy war against Israel and the West and the German reaction


Dear Ladies and Gentlemen and dear Friends,


we would like to inform you about an international conference on Iran that will take place in Berlin on May 2nd and 3rd
. A diverse group of renowned speakers from different countries, including exile-Iranian opposition members, academics, politicians, journalists  and NGO representatives, will be speaking. Below you can find the program schedule, which will be updated with a number of additional speakers. You can receive the latest information on our new website www.mideastfreedomforum.org and in our newsletter. A subscription to the free newsletter requires an empty email to join@mideastfreedomforum.org.

Registration to the conference will be possible on our website from 24.3.2008 on.

Support our conference!

Please forward this mail to your potential interested contacts - persons, institutions, mailinglists - and please also use your weblog or other media to inform about the conference.

And we also urgently need donations - you can find our bank account below or on our website.

Do you have other means to support the conference? Please contact us!

Your sincerely,
Mideast Freedom Forum
Berlin e.V.

Phone: +49 (0)30 8733 3417
Fax: +49 (0)30 700 143 1010
Mail:
info@mideastfreedomforum.org
Web:
www.mideastfreedomforum.org

Please support the conference and our further work with a donation!

Reason for payment: "Freedom Forum"
Mideast Freedom Forum
Berlin e.V.
Nr.: 7668866
BLZ 100 700 24 (Deutsche Bank)
IBAN: DE75 1007 0024 0766 8866 00
BIC/Swift: DEUTDEDBBER

 

 

Friday, May 2nd 2008

 

11 a.m.

Press conference


7 p.m.

Introduction and greetings

 

7.30 p.m. 

Opening panel:
Islamism, Antisemitism, Nuclear Programme: The Iranian threat

 

Religious and ideological motivation in Iranian domestic and international policies
Menashe Amir
Former director of the Persian program of Voice of Israel, Israel

A second Holocaust? The threat to Israel
Prof. Benny Morris
Professor of History,
Ben-Gurion University, Middle East Studies Dept., Israel

"Strategic partner"? The special German-Iranian relationship
Dr. Matthias Küntzel 
Political scientist, board member Scholars for Peace in the Middle East,
Germany

The EU, Iran and the effectiveness of sanctions
MEP Paolo Casaca
Partido Socialista Portugal, Socialist Group in the European Parliament, Portugal

Chair: Alan Posener
Head commentator Welt am Sonntag, Germany

 

 

Saturday, May 3rd 2008

 

10.15 a.m. - 12.00 p.m.

Theocracy and Human Rights.
The character of the Iranian Regime



Anatomy of Terror in the Iranian theocracy
Javad Asadian
Writer and Poet, member and former president of the exil-Iranian PEN, Germany

Women under theocracy

Nasrin Amirsedghi
Publicist,
Germany

The situation of the Kurds in Iran
Dr. Miro Aliyar
Representative of the Democratic Party of Iranian
Kurdistan, Austria

Chair: Caroline Fetscher
Journalist,
Tagesspiegel, Germany

 

 

12.45 p.m.  - 14.30 p.m.

The Holy war against Israel and the West

The roadmap to the bomb
Yossi Melman 
Writer and journalist,
Haaretz, Israel

Terror and ideology-export: The Islamic Republic's war against the West
Dr. Patrick Clawson 
Deputy Director for Research at the Washington Institute for Near East Policy, USA 

Iran and the Islamist network in Germany
Alexander Ritzmann 
Political Scientist, European Foundation for Democracy,
Germany

Chair: Dr. Sylke Tempel
Historian and Publicist,
Germany

 

16.00 p.m. - 17.45 p.m.

Iran and Europe: Dialogue or confrontation?



Capitulate to the Iranian Regime?
Henryk M. Broder (tba.) 
Journalist,
Germany

Business as usual? German-Iranian trade relations
Dr. Matthias Küntzel 
Political scientist, board member Scholars for Peace in the Middle East,
Germany

Know nothing, hear nothing, see nothing - Germanys policy towards Islamism: Calculation or anticipatory obedience?
Bruno Schirra
Journalist and Publicist,
Germany

Chair: N.N.

 

 

18.15 p.m. - 20.15 p.m. 

Final panel:
The need for a new antifascism

 
International cooperation against the Mullah-Regime
Kayvan Kaboli

Spokesperson of the Green Party of
Iran, USA 

Where are the anti-fascists? Iran and the meaning of "Coming to terms with the Nazi past" in 2008
Prof. Jeffrey Herf 
Historian,
University of Maryland, College Park, USA 

Freedom, secularization, democracy – for a new Middle East
Thomas von der Osten-Sacken 
Manager Wadi e.V., Germany

Chair: Doris Akrap
Editor Jungle World,
Germany
publicado por nx às 12:58
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Março de 2008

Conferência Internacional [Áustria] sobre a Ameaça Iraniana


International Conference
The Iranian threat
The Islamic republic, Israel's struggle for existence and European reactions
May 3rd/4th 2008, Camp of the University of Vienna, courtyard 2, lecture room C1
Alserstraße/Spitalgasse, trams 5, 33, 43, 44
Conference languages: English / German (simultaneous transla! tion)
Please plan for possible checking at the entrance.

Patronage: Dr. Brigitte Bailer-Galanda, Kammerschauspielerin Elisabeth Orth

Program:

Saturday, May 3rd 2008

19.30 Introduction and greetings
Dr. Ruth Contreras (Scholars for Peace in the Middle East)
Simone Dinah Hartmann (STOP THE BOMB)
Dr. Joanna Nittenberg (Illustrierte Neue Welt)

20.00 - 22.00 Round table: The Impact of the Iranian threat: Islamism, Antisemitism and the nuclear program
Dr. Patrick Clawson (Deputy Director for Research at the Washington Institute for Near East Policy, USA)
Yossi Melman (Journalist Haaretz, Israel)
Prof. Benny Morris (Historian, Ben Gurion University Israel)
N. N. (t.b.a.)
Chair: Simone Dinah Hartmann (spokeswoman STOP THE BOMB – Coalition against the Iranian extermination program)

Sunday, May 4th 2008

10.30 - 12.15 The rule of political Islam in Iran and global jihadism
Menashe Amir (Former director of the Persian programme of "Voice of Israel", Israel):
Religious and ideological motivation in Iranian domestic and international policies
Niloofar Beyzaie (Stage director and author from Teheran, since 1985 in exile in Germany, women's rights activist):
Oppression of women and minorities in Iran
Florian Markl (Political scientist, Humboldt University Berlin):
Global Jihadism and it's Iranian supporters
Chair: Alex Gruber (Lecturer Institute for political science Vienna)

12.30 - 14.15 Critique of appeasement: Iran and islamic Antisemitism as a challenge for Israel and Europe
Dr. Matthias Küntzel (Political scientist, board member Scholars for ! Peace in the Middle East, Hamburg):
Is Europe failing to act?
Dr. Michael Oren (Historian, senior fellow at the Shalem Center, Jerusalem):
Israel's Worst Nightmare – The threat of the Iranian Nuclear Weapons Program
Bruno Schirra (Journalist and author, Berlin):
European Illusions about Iran and Islam
Chair: Dr. Elisabeth Pittermann (former member of the Vienna City Council)

15.15 - 17.00 Austrian-Iranian relations against the background of the National-socialist past
Hiwa Bahrami (Democratic Party of Iranian Kurdistan): Austria's politics of appeasement
Dr. Stephan Grigat (Café Critique, Lecturer Institute for political science Vienna):
The Austrian-Iranian friendship – Foreign Policy in post-nazism
Robert Schindel (Author, Vienna):
The Austrian memory
Chair: Michaela Sivich (Journalist)

17.15 - 19.00 Round table: The need for a new antifascism
Simone Dinah Hartmann (Spokeswoman STOP THE BOMB)
Prof. Jeffrey Herf (Historian, University of Maryland, College Park, USA)
Kayvan Kabouli (Green Party of Iran, USA)
Thomas von der Osten-Sacken (Political Analyst and Director of Wadi e. V. Germany)
Chair: Dr. Stephan Grigat (Café Critique, Lecturer Institute for political science Vienna)

Inquiries:
DI Simone Dinah Hartmann
Phone: +43 650 344 88 58
Email: info@stopthebomb.net
http://www.stopthebomb.net
publicado por nx às 15:09
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Março de 2008

Paulo Casaca no “National Press Club” em Washington

Os Co-Presidentes do Intergrupo do Parlamento Europeu "Amigos de um Irão Livre", Paulo Casaca e Struan Stevenson, conservador escocês, são hoje os oradores convidados do National Press Club em Washington, para uma palestra denominada de Irão e Iraque: Rumo a uma Parceria Transatlântica para uma Política Efectiva.

 

O “National Press Club”, criado por três dezenas de jornalistas a 29 de Março de 1908, marca desde então o quotidiano de Washington. Pelas portas do seu edifício passaram todos os presidentes dos Estados Unidos, desde Theodore Roosevelt, assim como Reis e Rainhas, Primeiros-Ministros, Senadores, Congressistas, Embaixadores, Professores Universitários, Líderes Económicos, entre outros.

 

O convite para esta palestra tem lugar num momento particularmente delicado do Grande Médio Oriente e em que a parceria estratégica transatlântica se torna mais importante.

 

Esta palestra será precedida de uma reunião pública no Senado e deu-se na sequência de vários encontros com congressistas norte-americanos.

 

Ainda no âmbito da sua deslocação aos Estados Unidos da América, Paulo Casaca foi recebido pelos os congressistas luso-americanos Devin Nunes e Jim Costa tendo debatido formas de promover a cooperação luso-americana em especial através dos Açores.

 

Jim Costa, membro da Comissão dos Negócios Estrangeiros do Congresso discutiu em especial com Paulo Casaca a possibilidade de alargar à NATO a eventualidade de desenvolver o treino de pilotos na base das Lajes, facto que foi encarado com muito interesse.

 

Ainda neste âmbito, Paulo Casaca teve uma reunião com quatro responsáveis do Departamento de Estado e ainda com um conselheiro da Embaixada de Portugal junto dos EUA, em que se discutiu o papel dos Açores na promoção da cooperação transatlântica.

 

Em particular foi vista com muito interesse a realização de uma segunda edição da Conferência Transatlântica sobre Energias Renováveis que teve pela primeira vez lugar em Dezembro de 2006, na ilha Terceira.

 

Enquanto membro das delegações do Parlamento Europeu para as Relações com a Assembleia Parlamentar da Nato e para as Relações com o Irão, o Deputado socialista tem ainda reservado, para este último dia de deslocação, um encontro com os senadores norte-americanos, Kay Bailey Hutchison, do Texas, e Johnny Isakson, da Geórgia.

publicado por nx às 10:44
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Março de 2008

Paulo Casaca em Washington

para contactos bilaterais sobre as actuais relações Luso-Americanas e o Médio Oriente

 

 

O Deputado Paulo Casaca é um dos oradores convidados de uma palestra subordinada ao tema “Irão e Iraque: Rumo a uma Parceria Transatlântica para uma Política Efectiva”, promovida na próxima sexta-feira, dia 7 de Março, no Edifício da Imprensa Nacional, em Washington, em que participa ainda o Deputado britânico Struan Stevenson, que partilha com o parlamentar português a Presidência do "Grupo de Amigos por Um Irão Livre".

 

O evento insere-se no programa de uma deslocação de três dias aos E.U.A que Paulo Casaca inicia já amanhã, dia 5 de Março, mediante a realização de um encontro com os congressistas luso-americanos Devin Nunes, Jim Costa e Dennis Cardoza.

 

Na ocasião, o Deputado socialista irá discutir aspectos relacionados com as actuais relações luso-americanas e a possibilidade de se encetarem novas frentes de cooperação no domínio das energias renováveis. Os desenvolvimentos registados ao nível das perspectivas agrícolas fixadas pelos EUA para os próximos anos, através da "revisão" operada na Farm Bill, em contraponto com os desafios que na Europa se colocam no âmbito do "Exame de Saúde" da PAC e o Acordo de DOHA, são outros dos assuntos que Paulo Casaca pretende abordar no encontro, em particular junto do congressista Dennis Cardoza.

 

Na quinta-feira, dia 6 de Março, o Deputado Europeu tem previsto uma reunião de trabalho com o Presidente da organização “Voice of the Copts” destinada a debater o problema de alegados casos de perseguição religiosa de comunidades cristãs minoritárias, no Egipto.

 

A agenda da visita do parlamentar português prevê ainda contactos com responsáveis do Departamento de Estado e de Defesa Norte-Americano com vista a discutir as possibilidades relativas à renegociação do Acordo das Lajes.

 

Para além da palestra já mencionada, Paulo Casaca, enquanto membro das delegações do Parlamento Europeu para as Relações com a Assembleia Parlamentar da Nato e para as Relações com o Irão, tem ainda reservado para o último dia da sua deslocação, sexta-feira, dia 7 de Março, um encontro com os senadores norte-americanos, Kay Bailey Hutchison, do Texas, e Johnny Isakson, da Geórgia.

publicado por nx às 19:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2008

Exile Group Claims Iran Is Developing Nuclear Warheads

The Wall Street Journal 
By MARC CHAMPION 

The Iranian opposition group that first exposed Iran's controversial nuclear-fuel program has given the United Nations' nuclear watchdog details of what the group says is a working nuclear-warhead-development facility.

 

The facility at Khojir, a defense-ministry missile-research site on the southeast edge of Tehran, is developing a nuclear warhead for use on Iranian medium-range missiles, according to Mohammad Mohaddessin, foreign-affairs chief for the exiled National Council of Resistance of Iran. 

He also said the NCRI has identified a guest house on a military compound near Khojir that the group says houses North Korean specialists working at the warhead facility. The information was finalized in recent weeks and is current, according to Mr. Mohaddessin. 

It wasn't possible to verify any of the NCRI's claims independently. Yesterday, Mr. Mohaddessin passed the information, which includes satellite images, to the International Atomic Energy Agency, the U.N.'s Vienna-based nuclear watchdog, and asked the agency to investigate. 

An IAEA representative said the organization would check the NCRI's claim against the agency's own data and pursue it "if appropriate." 

The NCRI is the Paris-based political wing of the Mujahedin e-Khalq, an exiled military group that has been seeking to overthrow the current Iranian regime since the mid-1980s. The U.S. and the European Union list the group as a terrorist organization. 
 

The NCRI has at least twice given detailed information to the IAEA that IAEA inspectors later verified, including the original information that exposed Iran's uranium-enrichment program and the location of those facilities in 2002. On at least one other occasion, however, the IAEA was unable to verify information the NCRI provided. 

U.S. and IAEA officials have said in the past they believe the NCRI gets its information from a government hostile to Iran, likely Israel. The NCRI denies that and says it develops its information with the help of contacts inside Iran. 

NCRI leaders said their latest effort to locate the alleged nuclear-warhead facility was triggered by the Dec. 3 release of a U.S. National Intelligence Estimate concluding that Iran halted its nuclear-weaponization efforts in 2003. The NCRI is eager to refute that finding. 

The report effectively ended speculation in Washington about a potential U.S. military strike against Iran to cripple its nuclear program. It also undercut U.S.-led efforts to pressure Iran to suspend its uranium-enrichment program, which can be used to produce either civilian or weapons-grade fuel. 

Iran denies having any kind of nuclear-weaponization program. It also denies any intent to enrich uranium to weapons grade. The IAEA has said repeatedly it hasn't found proof of an Iranian nuclear-weapons program. Iranian officials couldn't be reached to comment yesterday. 

Ross Feinstein, a spokesman for the Office of the Director of National Intelligence in Washington, said the U.S. intelligence community's view hasn't changed since the NIE's release. 

The NCRI first identified Khojir as a missile facility in 2005. Iran's medium-range Shahab 3 missile is based on North Korea's Nodong-1 missile and is believed to have a range of as much as 1,240 miles. 

The NCRI's claim that a small facility on the military base is developing nuclear warheads is new, however. Also new is the claim that North Koreans are being bused to the facility. North Korea is in talks with the U.S. and other nations over its nuclear-weapons program. 

The commercial satellite images depict a system of heavy security within the Khojir site restricting access to the alleged nuclear-warhead facility. Visitors to the facility -- which is known as "Eight-five hundred" -- have to leave their cars and drivers behind at the car park, according to Mr. Mohaddessin. A car is then sent to collect the visitors, who pass through two checkpoints to get onto a road that ends at a small group of buildings cut into the hills about 1.25 miles away. 

Write to Marc Champion at marc.champion@wsj.com
publicado por nx às 12:54
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008

Conferência promovida por Paulo Casaca sobre o Irão mobiliza "mundo diplomático" de Bruxelas

O Deputado Paulo Casaca promoveu esta quarta-feira, em Bruxelas, uma conferência destinada a avaliar a resposta europeia às implicações que decorrem da incessante procura de influência regional evidenciada pelo Irão no domínio da segurança no Golfo, proliferação nuclear e apoio a organizações terroristas.

 

A iniciativa, levada a cabo conjuntamente com a Deputada Jana Hybaskova com o apoio da "Réalité EU", organização sem fins lucrativos que desenvolve um serviço para jornalistas e outro tipo de analistas com base em assuntos do Médio Oriente, juntou nas instalações do Parlamento Europeu cerca uma centena de participantes, na sua maioria membros de corpos diplomáticos, nomeadamente Embaixadores e outros diplomatas de países como a Arábia Saudita, Afeganistão, Brunei, Bangladesh, Emirados Árabes Unidos, Eslovénia, Espanha, Irão, Irlanda, Israel, Kuwait, República Checa, Roménia e Suécia, para além de inúmeros deputados europeus e jornalistas.

 

Os oradores deste evento foram Sami Alfaraj, Presidente do Centro de Estudos Estratégicos do Kuwait e Conselheiro de Segurança Nacional do Secretário Geral do Conselho de Cooperação do Golfo, Simon Henderson, especialista em assuntos políticos em estados conservadores do Golfo Pérsico e questões de política energética e antigo correspondente da BBC e Financial Times, Richard Kemp, que foi chefe dos serviços secretos britânicos e comandante das forças do Reino Unido no Afeganistão, e Claude Moniquet, Director do Centro Europeu de Estratégia e Informações e antigo membro dos serviços secretos franceses.

publicado por nx às 15:19
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

A geopolítica do Gás

Paulo Casaca

O chefe da diplomacia iraniana veio a Portugal anunciar que o seu Governo estava a ponderar uma proposta de investimento nos seus campos de gás por parte de uma empresa portuguesa. Sem perder o fôlego, fez ele também saber que pretendia a bênção do nosso país para o seu programa nuclear.

Na declaração política de resposta o chefe da nossa diplomacia tentou minimizar o óbvio embaraço provocado por tão ostensiva proposta negocial, afirmando que apoiava a posição da comunidade internacional em matéria de programa nuclear e não se referindo ao negócio do gás.

A forma como ele juntou a estas palavras a garantia de que nada tinha a obstar a um programa nuclear pacífico, em vez de soar como uma dádiva ao regime de Teerão, soou como a confirmação de que as sanções internacionais se deviam ao facto de o programa nuclear iraniano não ter fins pacíficos.

Tratou-se na realidade de utilizar uma forma diplomaticamente arguta para dizer que o posicionamento nacional em matéria de proliferação nuclear não poderia ser condicionado por qualquer relação comercial de qualquer empresa, apesar de não se tratar de qualquer empresa e de não se tratar de um domínio económico qualquer.

A Áustria, maior investidor no gás iraniano é, já há algum tempo, o país que mais defende o regime e mais se opõe a quaisquer sanções ao Irão.

Nesta matéria, de resto, o Irão pouco ou nada inova, sendo que a Rússia, como é público e notório, usa e abusa do mesmo mecanismo sem sequer se preocupar em disfarçar com linguagem diplomática a utilização da sua arma energética.

A Rússia não hesita mesmo em modelar a tabela de preços que pratica ao nível de alinhamento político da sua clientela, como também não teve qualquer pudor em oferecer a um ex-chanceler alemão um lugar na administração de uma subsidiária suíça da sua maior empresa no ramo energético, ou ainda ligar ostensivamente a sua oposição à independência do Kosovo a um negócio de gás com a Sérvia.

Curiosamente, foi precisa a presença do Ministro dos Negócios Estrangeiros Iraniano entre nós para que esta questão se tornasse notícia de primeira página, parecendo que a diplomacia iraniana considera que a cenoura do negócio pressionará a opinião pública no sentido dos seus interesses.

Esta situação de fundo coloca em foco a necessidade de se saber quem em Portugal estará disposto a fazer o quê para que uma empresa portuguesa fique com o negócio do gás no Irão.

Pela parte do responsável primeiro da nossa diplomacia assistimos a uma posição de grande firmeza que não posso deixar de registar com muita admiração e respeito.

O plano nuclear de Teerão é um plano concebido por quem inventou o terrorismo moderno, ou seja, o assassínio suicida em larga escala por motivos religiosos. Não existe qualquer racionalidade civil para o programa nuclear iraniano. Todo o stock de urânio naturalmente existente no Irão tem um potencial energético inferior ao que resultaria do aproveitamento do gás que é queimado, sem aproveitamento, na exploração do petróleo durante um ano. O Irão está empenhado hoje num plano de expansão em toda a zona, do Afeganistão ao Líbano e principalmente no Iraque, fomentando o terrorismo e a desestabilização.

Fechar de olhos a todos estes factos seria a maior das cegueiras que poderíamos promover em Portugal, e eu só espero que todos os portugueses que lidam com estes dossiers dentro ou fora do nosso país, tenham a mesma lucidez e independência que o nosso Ministro dos Negócios Estrangeiros. 
publicado por nx às 12:19
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

Protesto de Paulo Casaca contra execuções no Irão aprovado por aclamação no Parlamento Europeu

A sessão plenária do Parlamento Europeu reunida em Bruxelas aprovou hoje, por aclamação e esmagadora maioria, um "protesto veemente" apresentado de viva voz por Paulo Casaca pela execução às quatro horas (hora iraniana) desta madrugada de um activista Ahwazi (minoria árabe no Irão) na prisão de Karoon, Zamel Bawi.  

O protesto foi apresentado como alteração oral à resolução que pedia a suspensão dessa execução pelo regime iraniano no contexto de uma Resolução sobre a situação nesse país.

A proposta do socialista constata ser esta a décima nona execução de Ahwazis nos últimos doze meses, e insta o Governo iraniano a pôr termo a outros processos de execução em curso, nomeadamente do cidadão holandês e defensor dos direitos humanos, Faleh Abdulah al-Mansouri, e de dois refugiados reconhecidos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, permitindo que os mesmos possam regressar aos seus países de origem.


imagens de execuções públicas no Irão

A resolução agora aprovada refere ainda a decisão do Tribunal de Primeira Instância das Comunidades, de 12 de Dezembro de 2006, relativa à proscrição da “Organização dos Mujahedines do Povo do Irão” (OMPI) ao mesmo tempo que regista a decisão de um Tribunal Superior britânico, de Novembro passado, que obrigou, igualmente, o Governo do Reino Unido a retirar a OMPI da sua lista de organizações proscritas, tendo classificado essa inclusão como “perversa”.

O documento, arrasador para o regime iraniano, designadamente no que concerne a inúmeras violações dos direitos humanos, renova o apelo para que seja assegurado um principio de transparência no que respeita ao programa nuclear desenvolvido pelo Irão, através do fornecimento à Agência Internacional de Energia Atómica de informações claras e credíveis que permitam pôr termo às preocupações que derivam da sua possível utilização militar.

publicado por nx às 14:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

União Europeia instada a cumprir decisões judiciais em matéria de terrorismo

A Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa aprovou ontem uma Resolução da autoria de Dick Marty que insta a União Europeia a respeitar as decisões judiciais. Na exposição que apresentou à assembleia parlamentar, o relator condena a União Europeia por ter desobedecido à sentença do Tribunal de primeira instância das Comunidades Europeias, de Dezembro de 2006, que anulou a decisão adoptada pelo Conselho, a 21 de Dezembro de 2005, de integrar a “Organização dos Mujahedines do Povo do Irão” (OMPI) na lista europeia de organizações terroristas. O relator conclui ainda que, "com estas acções, o Conselho não está a agir como um Estado de Direito".

 

Recorde-se que, sob proposta do Reino Unido, o Conselho tinha decidido em 2002 a inclusão da principal organização de oposição iraniana, a Organização dos Mujahedines do Povo do Irão, OMPI, na lista das organizações terroristas, e que essa decisão foi anulada por sentença do Tribunal de primeira instância das Comunidades Europeias.

 

Apesar de não ter feito apelo da sentença – que já transitou em julgado – o Conselho não a aplicou. Em processo paralelo, a justiça britânica declarou como procedente um recurso apresentado por trinta parlamentares e lordes britânicos contra a decisão inicial do Reino Unido de remeter para a lista das organizações terroristas a OMPI.

 

Na sentença de 30 de Novembro de 2007, a justiça britânica classificou a atitude do Governo do Reino Unido como perversa, numa sentença inédita no panorama jurídico britânico e internacional, tendo entretanto já rejeitado como improcedente o primeiro recurso apresentado pelo Governo.

 

O relatório do Conselho da Europa junta-se assim às duas decisões judiciais que de forma clara e inequívoca consideraram como completamente infundadas a decisão do Governo do Reino Unido e a sua transposição para a União Europeia e que dão plena razão a todos os que – como o deputado socialista português Paulo Casaca – sempre disseram que esta classificação não tinha qualquer fundamento jurídico ou político válido.

 

Para o parlamentar socialista a classificação como terrorista da principal força de oposição ao terrorismo internacional que tem em Teerão a sua principal base de apoio corresponde a uma lógica perversa de pretender escapar aos efeitos do terrorismo negociando com ele a entrega das suas principais vítimas.

Paulo Casaca voltou a insistir para que a União Europeia exclua da sua lista das organizações terroristas as vítimas do terrorismo e que inclua antes aí a principal força terrorista internacional, que são os guardas revolucionários iranianos bem como as suas organizações satélite no Líbano e no Iraque, como única forma justa, eficaz e equilibrada de combater estrategicamente o terrorismo.  

 

O deputado socialista português considera que é um erro de gravíssimas consequências para a paz no mundo ceder à tentação de obter lucros fáceis em acordos de ocasião negociando com o regime iraniano a inclusão da oposição iraniana em listas de organizações terroristas ou considerar "pacífica" a acção de expansionismo da teocracia iraniana no mundo árabe.

publicado por nx às 13:58
link do post | comentar | favorito

A contra-ofensiva de Teerão

Paulo Casaca

Um dos aspectos mais interessantes da guerra que se trava entre o Irão e os EUA é o de que os nossos analistas ocidentais estão sempre prontos a descobrir imensas fracturas ideológicas ou de interesses entre os vários membros da nomenclatura teocrática iraniana mas tendem a olhar para os EUA como um monólito, ignorando as evidências que nos dão uma imagem diferente.

De forma obviamente contraditória com todo o discurso e acção política do Presidente americano, um conjunto de americanos com posições importantes em vários departamentos governamentais editou um NIE – National Intelligence Estimate – sobre o programa nuclear iraniano que, para além de contestar o discurso de George Bush, contradizia o anterior documento análogo, editado dois anos antes, sobre o mesmo tema.

Documento inteiramente político, ele dedica-se a tentar demonstrar que o programa nuclear iraniano poderia afinal ter apenas intenções civis, longe de todas as intenções bélicas que anos a fio diplomatas, cientistas e funcionários dos EUA explicaram e garantiram que existiam. Por outras palavras, mais do que um documento contra o Presidente, trata-se de um documento que lança o descrédito sobre toda a política externa americana.

Apesar de tudo, e contra tudo, o Presidente George Bush, cuja credibilidade já não era grande em lado nenhum e menos ainda no mundo árabe, abalançou-se a uma ofensiva diplomática com um único objectivo: criar uma plataforma árabe de oposição ao expansionismo iraniano.

Como não é surpreendente para qualquer observador informado, o primeiro tiro de resposta que recebeu foi do país árabe que é hoje mais controlado por Teerão, ou seja, o Iraque. Aí, em artigo publicado na imprensa londrina, o porta-voz do Governo, Ali Al-Dabbagh, convidou o mundo árabe a construir uma aliança com o Irão contra os EUA.

A peregrina ideia de depor o antigo ditador iraquiano para entregar o país aos grupos terroristas iraquianos controlados por Teerão foi ainda mais inconcebível e de consequências mais desastrosas do que a de ignorar o programa nuclear iraniano, e a realidade continua a dar-nos provas desse facto todos os dias. Mais inconcebível ainda é que os EUA continuem a apoiar esse governo.

Em qualquer circunstância, a resposta de Teerão não se fez esperar, e não se fez só ouvir através dos seus representantes em Bagdade. Entre outras acções, o Governo iraniano despachou para o Parlamento Europeu o responsável pela negociação do seu programa nuclear e para Lisboa o Ministro dos Negócios Estrangeiros, convicto de que o "pragmatismo" levaria a nossa diplomacia a dissociar-se da posição tomada pelo grupo dos chamados 5 + 1 (Conselho de Segurança das Nações Unidas mais Alemanha) em função de alguns obscuros negócios de exploração de gás iraniano.

A contra-ofensiva diplomática de Teerão, até aqui, não resultou, mas nada assegura que não venha a resultar num futuro próximo.

tags: ,
publicado por nx às 13:55
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008

Paulo Casaca intervém em debate sobre a situação dos direitos humanos no Egipto

Numa intervenção proferida em Plenário, onde hoje se discutiu uma Resolução sobre a situação no Egipto, Paulo Casaca frisou a abertura evidenciada pelo Chefe da Diplomacia Egípcia para ser ouvido no seio da Comissão dos Negócios Estrangeiros do Parlamento Europeu, encontro onde o deputado português marcou presença e apresentou algumas questões.

 

Entre as recomendações apresentadas no documento discutido hoje em Estrasburgo, Paulo Casaca preferiu acentuar o facto de aí se encorajar o Governo egípcio a manter o seu compromisso de levantar o estado de emergência em 31 de Maio de 2008 e o regozijo manifestado perante os esforços envidados por aquele país para garantir a segurança na fronteira com Gaza e encorajar todas as partes envolvidas a intensificar o combate ao contrabando através dos túneis existentes na Faixa de Gaza.

 

O parlamentar socialista alertou, no entanto, para a necessidade de serem corrigidas, no plano das relações com o Egipto, situações de violação dos direitos humanos, como seja o facto do candidato presidencial da oposição, Ayman Nour, continuar a cumprir uma pena de prisão de cinco anos.

 

Não há fronteiras nem lugares sagrados onde os direitos humanos não sejam uma preocupação fundamental”, salientou o deputado, lembrando de seguida que o Egipto não pode ser considerado sem ter em conta o posicionamento particular deste país nesta matéria.

 

Em intervenção antes proferida no grupo socialista, Paulo Casaca lembrou a necessidade de se diferenciar a posição do Egipto da de regimes da região onde vigoram as mais brutais ditaduras, como por exemplo o Irão.

publicado por nx às 17:41
link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Dezembro de 2007

A convulsão do Sudoeste asiático

Paulo Casaca
[2007-12-29] O assassínio de Benazir Bhutto representa um marco importante na escalada do fanatismo islâmico pelo controlo do Sudoeste asiático. Benazir Bhutto como mulher, dirigente política secular e democrática, era naturalmente um dos alvos prioritários do fanatismo, ficando no entanto por saber se o seu assassínio se deve apenas a estes factores.

Num debate promovido pela CNS (Cybercast News Service) Alireza Jafarzadeh, dirigente da resistência iraniana, considerou que uma das mais importantes pistas para entender a razão de ser do seu assassínio ser a promessa da dirigente política paquistanesa de deixar que a comunidade internacional interrogasse A.Q. Khan, o célebre "pai" da bomba atómica paquistanesa que resolveu rentabilizar os seus conhecimentos vendendo conhecimento e material para o fabrico da bomba à Líbia e ao Irão.

Essa promessa punha directamente em causa o interesse de países como o Irão, que poderiam ser tentados a utilizar todos os meios para impedir que ela fosse levada à prática.

Em qualquer circunstância o assassínio de Benazir Bhutto põe em causa não só as eleições de 8 de Janeiro mas também a capacidade do actual líder paquistanês Pervez Musharraf para dominar a situação nesse país.

A crescente instabilidade no Paquistão terá óbvias consequências no Afeganistão e tornará ainda mais difícil a missão de estabilização da NATO que se desenrola nesse país.

Enquanto as atenções se centram no Paquistão, a situação no extremo oposto da área de influência iraniana, concretamente no Líbano, não é menos preocupante.

De acordo com o diário libanês Al-Mustaqbal – propriedade de Saad Hariri, principal dirigente político do chamado bloco 14 de Março, bloco de resistência à colonização iraniana do Líbano – o Hizbullah (partido que explicitamente se anuncia como discípulo do Ayatollah Khameiny, ou seja, do principal dirigente político iraniano) está neste momento a treinar nas suas bases do Vale de Bekaa activistas de outras forças suas aliadas, como o Partido Nacional Socialista Sírio e forças fiéis ao General Aoun.


Ainda segundo o mesmo jornal, o Hizbullah está neste momento a proceder ao cerco da região de Al-Kharub, onde Walid Jumblat – um dos mais importantes opositores ao regime iraniano no Líbano – tem o quartel-general do seu partido socialista progressista (druso).

Estas informações constam de um despacho de 28 de Dezembro da autoria de H. Varulkar editado pelo MEMRI (centro de interpretação, análise e investigação no Grande Médio Oriente) que adianta ainda que tanto a imprensa alinhada com o bloco 14 de Março como a imprensa pró-iraniana dizem que actualmente no Líbano é quase tão simples comprar armas como comprar roupa. De acordo com a imprensa, a forte procura fez disparar o preço da AK-47 para valores entre os 300 e os 700 dólares e da M-16 para preços entre 0s 850 e os 1000 dólares.

A opinião pública é unânime no paralelo que faz com o desencadear da guerra civil libanesa de 1975, que se fez anunciar exactamente por um aumento exponencial da procura de armas no mercado.

Quer isto dizer portanto que, ao mesmo tempo que todas as atenções se viram para o Paquistão, é bem provável que a próxima onda de choque venha do Líbano.

Curiosamente, em termos relativos, o Iraque tornou-se agora mais tranquilo, depois de os EUA terem começado a colaborar activamente com a população do Centro e Norte do país que luta contra a Al-Qaeda e outros movimentos fanáticos e depois de terem avisado repetidamente o Irão de que a continuação das suas actividades terroristas neste país poderia levar a uma intervenção americana directa nesse país.

É uma situação de circunstância que será alterada quando o Irão achar mais conveniente. Desse ponto de vista, o afastar circunstancial do conflito para zonas mais periféricas, em simultâneo com uma imensa barragem de propaganda para dar uma imagem pacífica do regime, servem para afastar a possibilidade bem real de um ataque americano ao Irão durante a Presidência Bush.

São meros episódios tácticos que não põem em causa a minha convicção de que o controlo do Iraque é a prioridade absoluta do regime iraniano.

publicado por nx às 12:16
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Dezembro de 2007

O Irão abandonou a corrida ao nuclear?

  Samuel Hadas - La Vanguardia, 2007.12.19

Analista diplomático, primeiro embaixador de Israel em Espanha e na Santa Sé

Poucas análises elaborados polos servizos de intelixencia de Estados Unidos causaron máis perplexidade que o dedicado ás ambicións nucleares de Irán. O sumario dun documento secreto, denominado National intelligence estimate, NIE, publicado polo Consello Nacional de Intelixencia dese país, causou gran revuelo por súas indubidables consecuencias sobre a política exterior de Washington. Sobre todo, tratándose da avaliación consensuada de 16 servizos de intelixencia e porque, ao estimar que Teherán suspendeu o desenvolvemento dos elementos militares do seu programa nuclear no 2003, constitúe unha desconcertante retractación do informe de intelixencia elaborado no 2005, segundo o cal Irán estaba empeñada en adquirir capacidade nuclear. Cometeron os servizos de intelixencia estadounidenses outro erro de interpretación, como aqueles aos que tennos acostumados? No informe que ocúpanos hai demasiados “é posible…”, “podería ser…”, “é razoable supor que…”. Non poucos cuestionan o informe, que segundo algúns expertos non se basea en información sólida sobre o que está acontecendo en Irán, senón en supostos. Os seus críticos consideran que os servizos norteamericanos non teñen comprensión sobre o que realmente acontece en Irán. Os erros dos servizos de intelixencia de Estados Unidos no pasado son incontables ( “unha gran reputación é unha terrible marca”, segundo o ex axente da CIA Donald Gregg). Nun pasado non moi afastado os servizos estadounidenses fallaron nas súas análises sobre as tendencias en Oriente Medio, sobre todo en Iraq, Irán, Libia, etcétera. Por exemplo, nunca puido demostrarse a posesión de armamento non convencional por parte de Sadam Husein, causa principal da invasión de Iraq. Un libro publicado recentemente, "Legacy of ashes: The history of the CIA", está dedicado enteiramente a indicar os fallos da espionaxe estadounidense. “Un libro moi divertido”, escribe ironicamente un xornalista. O Goberno de Mahmud Ahmadineyad, que continúa co seu plano de desenvolvemento de mísiles de longo alcance, está acelerando o seu programa de enriquecemento de uranio e retén a súa opción para producir bombas nucleares, o que indubidablemente “deixa a porta aberta” para iso no futuro, se así llelo propón, sinala o informe. Posúe a infraestrutura necesaria.O NIE ha menoscabado sensiblemente os esforzos da Administración do presidente Bush para agravar a postura internacional contra o réxime iraniano, nun momento no que a Unión Europea e Estados Unidos parecían avanzar en súas esforzos por obter o apoio das grandes valedores de Irán, Rusia e China, para unha nova rolda de sancións. A comunidade internacional se verá en dificultades para neutralizar as motivacións de Teherán. Pero ao tempo, o informe serviu para xustificar a quen consideran que a vía diplomática funciona. No seu defensa saíu o asesor de Seguridade Nacional de Estados Unidos, Steve Hudley, para quen o informe proba que, sen dúbida, pódese resolver o problema pola vía diplomática, “tal como inténtao Washington, sen necesidade de facer uso da forza”.O perigo iraniano non pasou, segundo o prestixioso cotián israelí Haaretz.”O informe de intelixencia norteamericano é unha estimación que non aumenta nin reduce o temor, e non contén sinal algunha de troco de política ou que poida tranquilizar”, editorializa o xornal, agregando que “de feito, o informe determina que se Irán quere desenvolver a bomba, pódeo facer e sería perigoso subestimar as súas intencións”. Os servizos de intelixencia israelís, que admitiron que “houbo diferencias de interpretación cos seus colegas norteamericanos sobre a mesma información”, non dudan: o propósito do réxime iraniano é adquirir armamento nuclear. Non hai explicación lóxica algunha para as xigantescas investimentos de Irán no seu programa nuclear. Tamén os demais países de Oriente Medio, para quen os designios hegemónicos de Teherán significan unha ameaza concreta, desconfían das intencións do seu réxime. Non obstante preferiron manter un ruidoso silencio, malia que a súa agresiva e ambiciosa política converteu a Irán nunha potencia rexional que inflúe destructivamente nos seus focos máis conflitivos.É evidente que o NIE non posibilita xulgar a ciencia certa as intencións do réxime dos ayatolás. Os seus autores recoñéceno cando establecen que non se pode determinar se é intención de Irán reemprender o desenvolvemento de armas nucleares no futuro. Onde está a verdade? O informe debería ser recibido co mesmo grao de escepticismo con que no pasado recibíronse informes alarmistas sobre o tema. O réxime de Teherán ten unha gran experiencia no encubrimento de actividades e instalacións clandestinas, polo que a estimación de que o programa nuclear militar iraniano foi conxelado ten un valor moi limitado. Unha vez desenvolvido un exitoso programa nuclear civil, a transición a un militar é relativamente fácil. Os expertos pregúntanse despois da publicación do informe se a suspensión é total ou parcial, temporal ou permanente, ou se as actividades foron transferidas a outros sitios onde poderían ser reemprendidas en calquera momento. Non hai garantía de que non esteamos diante dunha nova manobra de desinformación.

edição galega retirada de Galiza-Israel


publicado por nx às 12:06
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

Os Mujahedin do Povo apresentaram uma nova queixa contra o Conselho de Ministros da UE

[18-12-07] Os advogados da Resistência Iraniana deram uma conferência de imprensa no Parlamento Europeu para anunciar a apresentação de uma nova queixa contra o Conselho de Ministros da União Europeia na sequência do recente veredicto da Proscribed Organizations Appeal Commission (POAC) que descreveu como «perversa» a inclusão na lista negra dos Mujahedin do Povo (PMOI). A decisão do Governo britânico em manter os PMOI na lista de organizações terroristas é ilegal assim como a decisão similar do Conselho de Ministros da União Europeia quando recusou implementar a norma do Tribunal Europeu de Justiça que apelava à remoção do PMOI da lista das organizações terroristas de UE.

 

Mais informação em: http://www.ncr-iran.org/content/view/4524/127
publicado por nx às 10:56
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007

Iran and Syria Move Fast to Crush Democracy as Washington Dithers

Walid Phares

 

While Petrodollars Propaganda showers networks in North America, the Middle East and Europe in order to weaken the resolve of democracies to confront the Iranian and Syrian regimes; and while "lobbies" in the West accelerate their campaigns to break the isolation of Damascus and Tehran; these two regimes confronted their oppositions in several attempts to crush them as long as the "window of opportunity is open", according to insiders.

 

The Khamenei and Assad regimes, relying on the Baker-Hamilton report which caused confusion throughout the West, took advantage of the findings of the NIE and rushed to clamp down on what they consider the real dangers emerging from the inside their countries. While the Iranian propaganda machine uses oil-generated revenues to place favorable stories in the international media to impact think tanks around the world, Syrian Mukhabarat and Pasdaran operated swiftly over the past few days to shut down dissident groups and youth activities deemed "dangerous".  Read: getting too close to provoke political changes.

 

Syrian Mukhabarat arrest dissidents        

 

According to news agencies and the reformist site Aafaq, "Syrian security forces last Wednesday raided the home of Riad Seif and broke up a meeting of the Secretariat of the “Damascus Declaration for National Democratic Change in Syria.”  Those who were present at the time of the raid were threatened with arrest if they did not leave the house immediately. This was just two days after the government launched a campaign of arrests across Syria sweeping up leading members of the political opposition.   

 

Among those present at the meeting, reports Aafaq and other dissident news agencies, were:  Dr. Fada’ Al-Hourani, President of the National Council of the Damascus Declaration, Secretariat members Riad Seif and Riad Turk, Nawaf Al-Bashir, Suleiman Al-Shammar, Walid Bunni (a detainee of the Damascus Spring), Ali Al-Abdullah, Ismail Omar, and Abdul Ghani Ayyash, Amin Sheikh Abdi, Ghassan Al-Naggar, Gabra’il Koreah, Abdul Karim Al-Dahhak, and Muwaffaq Nirbeh. 

 

Syrian security services carried out a campaign of mass arrests on Sunday evening and Monday that covered all Syrian "governorates", and arrested members of the National Council of the Damascus Declaration, who held their convention in Damascus last week.  Most of the arrested have been released, but Akram Bunni, Ahmad Tomeh  and Jabar Shoufeh remain in custody. The Syrian Human Rights Committee (SHRC) said Sunday that the Amn al Dawla State Security in the city of Hama summoned Dr. Fida’a al-Horani, the president of Damascus Declaration for National Change, that same day, Sunday December 16.  She was arrested at the time of her arrival at 11.00 a.m. and hurriedly moved to the headquarters in Damascus.

 .

The SHRC immediately condemned this arrest and requested the immediate release of Dr. Horani, and the release of her colleagues Akram al-Bunni, Ahmad To’ma and Jabr al-Shoofi. According to Syrian opposition sources, the campaign aims at "breaking the backbone of the democratic opposition, while taking advantage of the American so-called dialogue with the Assad regime. The latter," added the source "took advantage of the invitation to Annapolis by the US to claim that a US-Syrian dialogue is underway. Hence under the aegis of such perception, Bashar Assad instructed his Mukhabarat to hit the iron while it is hot." Every time Western media talks about "talking with Syria" the secret services comes to "talk" with us, said a dissident.     

.

Pasdaran stikes at internet cafes

.

According to Reuters and other agencies, Iranian Police closed down 24 Internet cafes over the past 24 hours and arrested 23 youths. The Police commander Nader Sarkari said his troops burst into 435 cafes looking for anti-revolutionary elements. Iranian opposition sources said 11 young women were arrested. In addition security forces searched 275 restaurants and closed down 17.

.

According to Iranian opposition sources, the Pasdaran were instructed by Ahmadinejad to sweep the capital and other cities for the "potential threat of growing pro-democracy youth." In fact, the Internet cafes have become bases for the "revolutionary anti-Khomeinist youth" in the country. Thousands of high school and college students meet in these locations and also communicate among each other across the country. Per Iranian dissidents appearing in chat rooms in cyberspace, a "real revolutionary force is mushrooming in Iran."  They said "how sad it is to see Western media and academics siding with the fascist regime in Tehran as we are on the brink of a formidable uprising." Iranian young scholars said in the chat rooms that "because of Internet we can read what these journalists are writing in defense of the regime. What they don't know, is that while they are covering up for the Ayatollah and their Petrodollars, we are becoming the majority among the youth." 

Last week a main Iranian opposition group, based in Iraq and Europe, the "People’s Mujahidin" organized small demonstrations on several campuses in Tehran. The group, known as MEK is still designated as Terrorist in the United States while its status is now changing in Britain and other European countries. Tehran's regime, designated as Terrorist by Washington, considers the MEK as terrorist. This puzzling situation is due to the fact that pro-Iranian pressure groups consider the Mujahidin Khalq as a real threat to the regime and thus put significant pressures internationally to keep the designation of the MEK as is. 

.

"Axis" strikes at Lebanese Army

.

The Syro-Iranian move to crush their opposition using the "window of opportunity", created by the NIE and the "talk-to-Syria-and-Iran" campaign in Washington and Brussels, is not confined to these countries. This week, the "axis" war room delivered a deadly blow to the Lebanese Army, which is considered by Hezbollah as the only native force capable of engaging its militias at some point. The assassination of Brigadier General Francois Hajj is increasingly perceived as a preemptive strike by the Pasdaran-controlled Hezbollah against a future commander of the Lebanese Armed Forces. Hajj was the chief operations officer who planned and led the campaign to defeat Fatah al Islam in Nahr al Bared. A growing opposition inside Lebanon is building against this Iranian-funded organization. In today's issue of the Kuwait Al Siyassa, several Lebanese NGOs called on the UN to investigate with Hassan Nasrallah at the Hague. "The only military force capable of perpetrating these terror acts, other than the Lebanese Army and the UNIFIL is none [other] than Hezbollah" said these groups in al Siyassa.       

.

As events are unfolding, the two terror regimes of Iran and Syria are sprinting to eliminate the democratic opposition rising inside their public and the Cedars Revolution in Lebanon. They feel they can strike fast while the Beltway debate is still trying to figure out if the power elite in Tehran and Damascus can become good partners in peace and stability. 


Dr Walid Phares is the director of Future Terrorism Project at the Foundation for the Defense of Democracies, a visiting scholar at the European Foundation for Democracy, and the author of The War of Ideas: Jihadism against Democracy.

tags: , ,
publicado por nx às 19:11
link do post | comentar | favorito

Maryam Rajavi no Parlamento Europeu

Paulo Casaca recebe Maryam Rajavi no Parlamento Europeu

 

O Deputado Paulo Casaca presidiu, esta terça-feira, no Parlamento Europeu, em Bruxelas, a um encontro com Maryam Rajavi, a Presidente do Conselho Nacional de Resistência Iraniana.

O encontro, promovido pelo Grupo de Amigos por um Irão Livre, acontece poucos dias depois de um Tribunal Superior Britânico ter rejeitado o recurso interposto pelo Governo do Reino Unido contra a decisão do passado dia 30 de Novembro que o obrigava a retirar, com efeitos imediatos, a “Organização dos Mujahedines do Povo do Irão” (OMPI), da sua lista de organizações terroristas.

 

A sentença do processo, cuja acção judicial foi interposta por um conjunto de 35 parlamentares britânicos, revogou a decisão das autoridades britânicas de proscrever a principal organização de oposição ao regime ditatorial iraniano, tendo considerado esta proscrição como perversa.

 

A reunião juntou na capital belga diversas individualidades, entre as quais Deputados do Parlamento Europeu, Brian Binley, Membro do Partido Conservador no Parlamento Britânico, Lord Gordon Slynn, antigo Juiz do Tribunal de Justiça Europeu e actualmente Lorde de Recurso Ordinário na Câmara dos Lordes, os advogados David Vaughan e Jean-Pierre Spitzer, e o Professor Erik David, uma autoridade de renome mundial no domínio do Direito Internacional.

 

Recorde-se que, por exclusiva iniciativa do Reino Unido, a União Europeia continua a listar a OMPI como organização terrorista, apesar dessa decisão ter sido anulada pelo Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias a 12 de Dezembro de 2006. Trata-se daquilo que o advogado Jean-Pierre Spitz descreveu como uma "ignomínia", "princípio de crime contra a humanidade" e "flagrante violação da quintessência do direito europeu".

 

Na ocasião foi feito um ponto de situação da crescente violação dos direitos humanos no Irão e da continuação do seu programa nuclear, tendo sido dado particular destaque à multiplicação dos protestos da sociedade civil e, em particular, de manifestações estudantis convocadas pela OMPI que varreram o país de lés-a-lés.

 

Paulo Casaca salientou que "da mesma forma que o regime iraniano montou a campanha de contra-informação sobre as armas de destruição maciça no Iraque para desviar as atenções do seu próprio programa nuclear, exigiu a classificação pelo Ocidente da sua oposição como terrorista para esconder o facto de ser ele a cabeça da principal rede terrorista internacional".


EU urged to remove People's Mujahedeen of Iran from list of terrorists

publicado por nx às 17:03
link do post | comentar | favorito
Domingo, 9 de Dezembro de 2007

10 de Dezembro: Dia Internacional dos Direitos Humanos

Violação dos Direitos Humanos e Tortura sob o regime de Mahmoud Ahmadinejad

Os cidadãos iranianos têm os direitos humanos limitados. Desde que Mahmoud Ahmadinejad foi eleito Presidente da República Islâmica em 2005 a situação dos direitos humanos tem-se deteriorado. Execuções, tortura, detenções sistemáticas e prisões são ocorrências usuais. A pena capital está liberalizada no Irão e as execuções acontecem cada vez mais publicamente, de maneira cruel e sádica.

O regime islâmico iraniano é o país no mundo com maior número de enforcamentos públicos e execuções. [1]

Durante 2007, numa nova vaga de execuções 244 pessoas foram mortas. A Amnistia Internacional considera que o número real é bem mais elevado. [2]

Em 2006, pelo menos 177 pessoas foram executadas. [3] Um aumento significativo, se considerarmos que, em 2005, foram executadas 94 pessoas, segundo a Amnistia Internacional. [4]

Desde 2004, o Irão executou 17 menores. Um número superior a qualquer outro país. [5]

Dois homossexuais masculinos foram enforcados publicamente de acordo com o código criminal iraniano que considera as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo como uma ofensa capital. [6]

Nalguns casos, os tribunais iranianos sentenciam pessoas a cruéis e invulgares punições como a cegueira, a amputação e o chicoteamento. [7]

O tratamento nas prisões iranianas inclui a solitária, choques eléctricos, violações, espancamentos e simulação de execuções. [8]

Particularmente, é no período de investigação e detenção preventiva, quando aos detidos não é permitido terem acesso a advogados, que a tortura é mais comum. Em 2006, pelo menos 7 pessoas morreram quando estavam sob custódia judicial. [9]

Em Julho de 2005, o poder judicial iraniano assumiu, pela primeira vez, a ocorrência de violações dos direitos humanos e que pessoas tinham sido torturadas. Apesar desta assumpção por parte do principal responsável do departamento de justição de Teerão,   Hojatoleslam Abbasali Alizadeh, o número de maus-tratos e tortura sistemática não parou de subir. [10]

O Artigo 1210(1) do Código Civil Iraniano determina a idade de 15 anos para rapazes e 9 anos para raparigas como a idade de responsabilidade criminal. [11]



Ahmadinejad conduz uma guerra contra a liberdade de expressão.

O governo iraniano já encerrou quase 100 jornais. [12]

Em Setembro de 2006, Esmail Radkani, director-geral  da empresa estatal de informação e tecnologia anunciou que a sua companhia tinha bloqueado o acesso a 10 milhões de websites «não autorizados» pelas autoridades. [13]

Profissionais dos media são frequentemente detidos. Cerca de 30 jornalistas estão, actualmente presos. Sob tortura, os jornalistas presos são persuadidos a escrever confissões falsas e «cartas de arrependimento» que posteriormente são difundidas na televisão nacional. [14]

As autoridades iranianas prenderam dezenas de bloggers, jornalistas e editores online. Estes detidos podem ser sentenciados a cinco anos de prisão. [15]

Ahmadinejad proibiu toda a literatura e trabalhos artísticos que fomentem o secularismo, o feminismo ou contradigam a linha do partido. Os editores são severamente censurados e os autores são punidos com penas de prisão. [16]

Ahmadinejad também baniu a maioria da música ocidental, principalmente a moderna, das rádios e televisões e fechou televisões e cinemas que exibiam filmes estrangeiros. [17]

No Irão, a liberdade de associação e activismo social são restritos. [18] 

Os estudantes acusados de terem ideias contrárias ao regime são impedidos de aceder à universidade. [19]

Segundo números oficiais, 14.635 mulheres foram detidas entre Janeiro e Junho de 2007 em manifestações pacíficas pelos direitos das mulheres e 67.000 foram advertidas. [20]

Em 8 de Março de 2007, as forças de segurança atacaram os participantes nas celebrações do Dia Internacional da Mulher, em Teerão. [21]

Defensores e activistas dos direitos humanos e da campanha para a igualdade das mulheres continuam a enfrentar violências e prisões. [22]

Algumas dezenas, dos milhares de professores detidos durante manifestações pacíficas, foram obrigados a demitir-se ou exilar-se. Pelo menos dois foram sentenciados a pena suspensa. [23]

Grupos das minorias étnicas são aterrorizados e oprimidos. Defensores dos direitos humanos curdos relataram uma nova vaga de detenções de civis e activistas estudantis. [24]

Membros das minorias religiosas iranianas são detidos ou importunados por causa da sua fé. [25]


Realité EU

 

[1] “Iran: Amnesty International Condemns New Wave of Executions,” Iran Press Service, 19 October 2007.

[2] Ibid.

Boniface, Susie: “Hanged From a Crane, Aged 16; Justice Iranian Style: Sick Girl Executed by Judge,” Sunday Mirror, July 23, 2006.

[3] “Amnesty International Report 2007: Iran”, Amnesty International.

[4] “Death Penalty Developments in 2005," Amnesty International, 20 April 2006.

[5] “Iran Leads the World in Executing Children,” Human Rights Watch, 20  June 2007.

“Iran: Juvenile Offenders Face the Hangman’s Noose,” Human Rights Watch, 23 September 2006.

[6] “Rights Group Says Homosexuals Face Persecution in Iran,” Agence France Presse, 08 March 2006.

[7] Stefan Wirner: „Das beredte Schweigen über den Horror im Iran," Welt online, 05 August 2007.

Amnesty International Report 2007: Iran,” Amnesty International.

McDowall, Angus: “Iranian Woman Awaits Stoning Decision,” The Independent, 03 August 2006.

“Public Hanging, Flogging in Iran,” Agence France Presse, 08 March 2006. 

[8] “Tortured, Beaten and Sexually Abused—all in the Name of Islam: Dissident Tells of Assaults and Threats Against Children during 66 Days in Jail Run by Iran's Clerical Regime,” The Sunday Telegraph, 28 May 2006. 

“Rights Group Urges Probe into Death of Jailed Iranian Student,” Agence France Presse, August 2, 2006.  

Smith, Joan: “Iran is Employing its Old Tricks to Quell Internal Dissent,” The Independent, 12 July 2006.

[9] “Amnesty International Report 2007: Iran,” Amnesty International.       

[10] Esfandiari, Golnaz: “Iran: Government Report Acknowledges Torture in Prisons,” Radio Free Europe, 25 July 2005.   

[11] “Death Penalty Developments in 2005,” Amnesty International, 20 April 2006

[12] Smith, Joan: “Iran is Employing its Old Tricks to Quell Internal Dissent,” The Independent, 12 July 2006.

"Iran Daily Ordered to Close,” Agence France Presse, 02 January 2006.

[13] “World Report 2007: Iran”, Human Rights Watch.          “Iran,” Reporters without borders.  

[14] “Four Years Jail for Iranian Reformist Journalist,” Agence France Presse, 28 August 2006. 

Eqbali, Aresu: “Iran Urges Judiciary to Act against Media,” Agence France Presse, 20 August 2006.   

[15] “World Press Freedom Review 2006: Iran,” International Press Institute.   

Tait, Robert: “Iran Bans Fast Internet to Cut West's Influence,” The Guardian, 18 October 2006.  

“Iranian Censors Clamp Down on Bloggers,” AFX, 13 August 2006.

[16] “2007 Annual Report – Iran,” Reporters Without Borders, 2007

Marlowe, Lara: “Few Iranians Brave Enough to Speak Out,” The Irish Times, 21 April 2006.  

[17] “Irans Behörden lassen 200 Besucher eines Rock-Konzerts verhaften,” Spiegel online, 05 August 2007

Tait, Robert: “Western Music is Latest Target of Iran's Hartline President: Holocaust Denial Followed by Cultural Crackdown; Bee Gees and Clapton among Artists Banned,” The Guardian, 21 December 2005.

Hewett, Ivan: “Why Iran's Ban is a Tribute to the Power of Music,” The Daily Telegraph, 28 January 2006.  

Ghazi, Siavosh: “Iran Bans Foreign Films,” Agence France Presse, 20 October 2005.  

“Iran Bans Foreign Films,” The Guardian, 26 October  2005. 

[18] “Amnesty International Report 2007: Iran,” Amnesty International.

[19] “Iran: Amnesty International Condemns Continued Repression of Human Rights Defenders,” Anmesty International, 16 October 2007

“Iran: End Ban on Access to Higher Education,” Human Rights Watch Report

[20] Wahied Wahdat-Hagh: “Iran: Ein Gedenktag der Frauenbewegung." Die Welt, 15 June 2007.   

“Iran: Women’s Rights Demonstrators Beaten and Arrested,” Amnesty International Report, 15 June 2006

[21] “Iran: Release Women's Rights Advocates,” Human Rights Watch, 09 March 2007.   

[22] “Iran: Amnesty International Condemns Continued Repression of Human Rights Defenders,” Anmesty International, 16 October 2007.     

[23] Ibid.   

[24] Ibid.  

[25] Ibid.

publicado por nx às 01:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

Reacções internacionais ao relatório do NIE

International Media Intelligence Analysis

I-M-I-A Special Report


INTERNATIONAL REACTION TO THE U.S. NIE REPORT ON IRAN

By Simon Barrett


The National Intelligence Estimate Report on Iran
The office of the Director of National Intelligence, National Intelligence Council prepared a National Intelligence Estimate (NIE) on Irans nuclear programme titled, Iran: Nuclear Intentions.

President Bush press conference (discusses NIE report on Iran)
Iran was dangerous, Iran is dangerous, and Iran will be dangerous if they have the knowledge necessary to make a nuclear weapon. The NIE says that Iran had a hidden -- a covert nuclear weapons programme. That's what it said. What's to say they couldn't start another covert nuclear weapons programme? Mr President: I think it is very important for the international community to recognise the fact that if Iran were to develop the knowledge that they could transfer to a clandestine program it would create a danger for the world. And so I view this report as a warning signal that they had the program, they halted the programme. And the reason why it's a warning signal is that they could restart it. And the thing that would make a restarted program effective and dangerous is the ability to enrich uranium, the knowledge of which could be passed on to a hidden programme.

How Much Does Weaponization Matter? Judging Iran's Nuclear Programme
The just-released National Intelligence Estimate (NIE), "Iran: Nuclear Intentions and Capabilities," is about weaponization, not the enrichment and fuel cycle issues that have been the focus of multiple UN Security Council and International Atomic Energy Agency (IAEA) board resolutions regarding Iran's nuclear programme. The NIE only suggests that Tehran has changed its sequence -- something that does not slow the country's progress toward a nuclear weapon by a single day. Therefore, it is not clear how this report affects the current thrust of U.S. policy: to stem Iran's nuclear fuel cycle capabilities.

U.S. Intel Possibly Duped by Iran
A highly controversial, 150 page National Intelligence Estimate (NIE) on Irans nuclear programs was coordinated and written by former State Department political and intelligence analysts not by more seasoned members of the U.S. intelligence community, Newsmax has learned. Its most dramatic conclusion that Iran shut down its nuclear weapons program in 2003 in response to international pressure is based on a single, un-vetted source who provided information to a foreign intelligence service and has not been interviewed directly by the United States. Newsmax sources in Tehran believe that Washington has fallen for a deliberate disinformation campaign cooked up by the Revolutionary Guards, who laundered fake information and fed it to the United States through Revolutionary Guards intelligence officers posing as senior diplomats in Europe.

Pentagon: Intelligence Estimate Shows Need to Keep up Pressure on Iran
Defence Secretary Robert M. Gates today pointed to the new national intelligence estimate as evidence that non-military means are the best way for the United States to deal with Irans nuclear enrichment program. Responding to a reporters query during a joint news conference with Afghan President Hamid Karzai here, Gates said the estimate, released yesterday, also underscores the need for the international community to continue pressuring Iran not to restart its nuclear weapons programme. If anything, the new national estimate validates the administrations strategy of bringing diplomatic and economic pressures to bear on the Iranian government to change its policies, Gates told reporters. The report finds that the intelligence community has high confidence that Iran halted its covert nuclear weapons programme in the fall of 2003 and they have moderate confidence that they have not restarted that programme as of mid-2007, national security advisor Stephen Hadley said in a Washington news briefing yesterday.

Commentary: Was Bush Behind the Iran Report?
Bombing Iran, it seems, is now off the table. There's no other reasonable take on the latest National Intelligence Estimate that concludes Iran halted its nuclear weapons programme in 2003. But there is also no doubt that the Bush White House was behind this NIE. While the 16 intelligence agencies that make up the "intelligence community" contribute to each National Intelligence Estimate, you can bet that an explosive, 180-degree turn on Iran like this one was green lighted by the President. And explode is what the hawks in and outside the Administration are about to do. They were counting on Bush being the one President prepared to take on Iran. As recently as last month, Bush warned of World War III if Iran so much as thought about building a bomb. Bush's betrayal is not going to go down well. The neocons, clinging to a sliver of hope, will accuse the intelligence community of incompetence; pointing out that as late as 2005 it estimated "with high confidence" that Iran was building a bomb.

U.S. admits intelligence gaps on Iran
NIE has 'only moderate confidence' nuke option halted The U.S. intelligence community has determined that Iran halted nuclear weapons development in an estimate that reversed its earlier assessments and differed from those of Israel. In a position that contrasted with that of the Bush administration, the U.S. intelligence community asserted that Iran ended its nuclear weapons program in 2003. Since then, Teheran has focused on developing uranium enrichment, a process used in the assembly of nuclear weapons, Middle East Newsline reported. The National Intelligence Estimate acknowledged gaps in intelligence regarding Iran's nuclear program. The report said the intelligence community has assessed "with only moderate confidence" that Iran ended its entire nuclear weapons programme.

NIE: An Abrupt About-Face
As many recognise, the latest NIE on Irans nuclear weapons program directly contradicts what the U.S. Intelligence Community was saying just two years previously. And it appears that this about-face was very recent. How recent? Consider that on July 11, 2007, roughly four or so months prior to the most recent NIEs publication, Deputy Director of Analysis Thomas Fingar gave the following testimony before the House Armed Services Committee (emphasis added): Iran and North Korea are the states of most concern to us. The United States concerns about Iran are shared by many nations, including many of Irans neighbours. Iran is continuing to pursue uranium enrichment and has shown more interest in protracting negotiations and working to delay and diminish the impact of UNSC sanctions than in reaching an acceptable diplomatic solution. We assess that Tehran is determined to develop nuclear weapons--despite its international obligations and international pressure. This is a grave concern to the other countries in the region whose security would be threatened should Iran acquire nuclear weapons. This paragraph appeared under the subheading: "Iran Assessed As Determined to Develop Nuclear Weapons." And the entirety of Fingars 22-page testimony was labelled "Information as of July 11, 2007." No part of it is consistent with the latest NIE, in which our spooks tell us Iran suspended its covert nuclear weapons programme in 2003.


REACTION: ISLAMIC REPUBLIC OF IRAN

Iran-President-Centrifuges
President Mahmoud Ahmadinejad said Iran needs 50,000 centrifuges to supply fuel for one year to a power plant. In a meeting with war veterans here on Wednesday, Ahmadinejad said, "When we commissioned 164 series of centrifuges, the ill-wishers told us to stop there and that they would ignore it, but "we said we need 50,000 centrifuges to supply fuel for one year to a power plant." The president said Iran continued industrial production of nuclear fuel in spite of ill-wishers' will. On the possible issuance of a new resolution at the United Nations Security Council against Iran's peaceful nuclear activities, the president said, "Our nation does not fear such threats."

Iran Celebrates the NIE Report
The U.S. intelligence report on Irans nukes is being hailed in Tehran as a political victory by an exultant Ahmadinejad and his supporters, and is a clear cause of worry for Irans neighbors. But there are also some within Iran worried about its implications, reports Meir Javedanfar. The The new assessment by US intelligence agencies, which states that Iran halted its nuclear weapons programme in 2003, has been enthusiastically received by Iranian media and officials. Bush is the biggest loser of the US intelligence report read the headline in Wednesdays edition of the Keyhan newspaper. Similar sentiments were shared by the pro-Ahmadinejad Raja News Agency, which called the report is a disgrace for the White House. President Mahmoud Ahmadinejad himself joined in the exultations. While addressing a large crowd in the city of Ilam on Wednesday, he boasted that the publication of the recent US intelligence report with regards to Irans nuclear program can be considered as one of the biggest political victories for the people of Iran.

President Views NIE Report a Bullet in Enemy's Head
Iranian President Mahmoud Ahmadinejad said that the US intelligence report on the peaceful nature of Iran's nuclear programme shot a bullet into the head of all ill-wishers of the Iranian nation. Addressing a large public congregation in Iran's western province of Ilam on Wednesday, the president said that despite enemies' efforts, the Iranian nation could gain victory on the nuclear scene. "Today, Iran has turned to a nuclear country and all the world countries, even the western states, have accepted this fact," he said. "Three months ago I announced that the political story of Iran's nuclear issue ended and that the Iranian nation would continue its clear and glorious path, but some imagined that I wanted to give courage to the Iranian nation," the president continued.


REACTION: BRITAIN AND EUROPE

Britain says potential threat from Iran remains
The British government believes that the potential threat from Iran remains a 'very serious issue' despite a US intelligence report saying that Tehran halted its atomic weapons programme in 2003. Foreign Secretary David Miliband said suspicions about Iran's intentions were inevitable, given that Tehran was enriching uranium while there were no civilian nuclear power plants in the country capable of using it. Asked whether the new US report made military action against Iran less likely, Miliband said Britain remained '100 per cent focused, with the rest of the international community, on a diplomatic resolution to this issue.' 'They (Iran) have no nuclear power plants to put this enriched uranium into. That's why people have fears about what the enrichment is for. That's why they have fears about the dangers of weaponization,' Miliband said in a BBC interview.

Sarkozy: Iran report reinforces concerns
PARIS (AP) French President Nicolas Sarkozy said a new U.S. intelligence report saying Iran stopped its nuclear weapons development in 2003 reinforces international concerns and should not diminish pressure for new sanctions. Sarkozy's office said early Thursday that he had spoken Wednesday night with President Bush about the report, which reversed earlier American statements and said Iran had halted the nuclear program because of international pressure. The report also contained warnings about Iran's continued nuclear activity, however, and said that it could have a nuclear bomb between 2010 and 2015.Sarkozy said that if confirmed, the findings mean "international concerns since 2002 about the intentions of nuclear activities in Iran would be further reinforced," his office said. The demands of the international community therefore are pertinent: Iran should cooperate fully with the International Atomic Energy Agency and suspend its enrichment activities," the statement said. Irans refusal to conform justifies a new U.N. resolution reinforcing sanctions," it said.

Germany Calls for Continued Pressure on Iran
The German government said Wednesday that the international community needed to continue pressing Iran to halt its uranium enrichment program as Tehran remained in violation of international law. Iran continued to violate international law in this respect because it was failing to adhere to UN Security Council resolutions, German government spokesman Ulrich Wilhelm said. "There remains a cause for concern," the spokesman said, two days after a US intelligence assessment concluded that Tehran appeared to have suspended its nuclear weapons program in 2003. At the same time, Wilhelm said an offer of cooperation with Iran remained in force if the government there agreed to halt enrichment, which some nations in the West fear is geared towards making a bomb. "The findings (of the report) confirm what the German government has always said -- that diplomatic negotiations are promising," Wilhelm told a press conference.

European Press Review: Iran Report Could Impact Elections
Some European papers saw the US Iran report as a danger to Israel, while others took it as hope for diplomacy. In any case, World War Three has been avoided -- at least for now. Writing on Wednesday, Dec. 5, from Munich, the Sddeutsche Zeitung said the recent US report, which stated that Iran had halted its nuclear weapons program in 2003, was intended to avoid a mistake similar to the invasion of Iraq in 2001. "The domestic consequences of the reversal are incalculable," continued the paper. "The distrust will now intensify in favor of the Democrats." Only Democratic presidential candidate Hillary Clinton's popularity will suffer from the report as she had been the most outspoken against Iran in her party, opined the Sddeutsche Zeitung.

Details in Military Notes Led to Shift on Iran, US Says
American intelligence agencies obtained notes last summer from deliberations of Iranian military officials involved in the nuclear weapons programme. American intelligence agencies reversed their view about the status of Iran's nuclear weapons programme after they obtained notes last summer from the deliberations of Iranian military officials involved in the weapons development programme, senior intelligence and government officials said on Wednesday.


REACTION: ISRAEL

Israel urges strong position on Iran
Daily Telegraph: Israel gave warning yesterday that Iran must either co-operate with the West over its uranium enrichment programme or face military action. Ron Prosor, Israel's newly appointed ambassador to Britain and one of his country's leading experts on Iran's nuclear programme, said that Teheran could enrich enough uranium to make an atomic bomb by 2009."At the current rate of progress Iran will reach the technical threshold for producing fissile material by 2009," he told The Daily Telegraph. "This is a global threat and it requires a global response. It should be made clear that if Iran does not co-operate then military confrontation is inevitable. It is either co-operation or confrontation." Mr Prosor, who served Ehud Olmert, the Israeli prime minister, as his senior adviser on Iran, said that time for resolving the nuclear issue was rapidly running out. However, he was non-committal about the possibility of Israel launching military action."There needs to be full verification of what is happening in Iran," said Mr Prosor, who was speaking for the first time since his arrival in London last month. "In Israel there is a belief that the Iranians are continuing with their nuclear weapons programme."

Analysis: Why does US and Israeli intel differ?
All it took was eight pages, and the entire international front against Iran has undergone a revolution. The US intelligence report released Monday with the claim that Iran froze its nuclear military track four years ago has Israel concerned that the United States is weakening its strong stance against Iran that had President George W. Bush warning that World War III would break out if the ayatollahs got their hands on a bomb. What the report makes even clearer are the major differences between the various intelligence agencies in Israel and the United States. The Mossad claims that the Iranians will be able to develop a nuclear bomb by the end of 2009; Military Intelligence warns that Teheran will cross the technological threshold within six months; and now the Americans are putting the timeline toward the middle of the next decade, or 2013 at the earliest.

Decoding the U.S. National Intelligence Estimate on Iran's Nuclear Weapons Programme
The U.S. government's latest National Intelligence Estimate (NIE) has concluded that Iran froze its active efforts to manufacture nuclear weapons in 2003, and will not have such a capability until at least 2012. While the NIE states that the U.S. intelligence community has "high confidence" that the Iranians halted their nuclear weapons programme in 2003, it also states that it has only "moderate confidence" that Tehran has not restarted the programme. In contrast, Israeli Defence Minister Ehud Barak has said that while it is "apparently true that in 2003, Iran stopped pursuing its military nuclear programme for a certain period of time," nonetheless, he adds that "in our estimation, since then it is apparently continuing with its programme to produce a nuclear weapon."

'US nuclear report based on notes of Iranian officials'
The new US intelligence assessment which stated that Iran halted its nuclear weapons programme four years ago was based mainly on notes acquired last summer from discussions between Iranian military officials, senior intelligence and government officials told The New York Times on Thursday. The notes reportedly detailed conversations in which certain army officials complained about Iranian leaders' 2003 decision to shut down efforts to develop nuclear weapons. The notes gave no clue as to why Iran had decided to stop weapons development. The information contained in the notes was supported by other intelligence, including conversations between Iranian officials which had been intercepted in recent months, the paper reported.


I-M-I-A seeks to provide news and analysis of world-shaping events.

publicado por nx às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2007

A CIA e o Irão

A CIA quase nunca acerta mas provoca sempre estragos. A New Estimative Intelligence (NEI) sobre o Irão não foge a esta regra. Antes de podermos analisar o relatório na totalidade, a mera leitura do que é reproduzido pelo  New York Times, mostra incoerências. Afirma que o Irão abandonou a 100% o seu programa nuclear militar em 2003 mas que só está moderadamente convencida que o Irão não tenha já armas nucleares: 100% ou moderadamente convencida? Outras contradições e erros grosseiros estão presentes no documento, mas o mal já está feito.

Resta observar como uma certa extrema-esquerda e extrema-direita – depois de décadas com todo o tipo de acusações aos serviços secretos americanos (golpes de Estado, ingerência externa, apoio a ditadores, Guantánamo) – se agarram à CIA como tábua de salvação. Caricato, mas muito perigoso...


Ahmadinejad aproveitou para afirmar que este relatório provava que a nação Iraniana era vitoriosa e que os USA não conseguiriam nada contra ela. E reclamou a utilização de 20.000 centrifugadoras para acelerar o programa nuclear civil!!

tags: , ,
publicado por nx às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2007

Podemos confiar na informação dos serviços secretos americanos sobre o Irão?

Claude Moniquet responde a esta questão no artigo «CAN U.S. INTELLIGENCE BE TRUSTED ON IRAN?» publicado na edição online de Realité EU.
publicado por nx às 22:25
link do post | comentar | favorito

Assine a Petição:

Stop The BombNão aos negócios com os mullahs iranianos !

No final deste ano, a OMV (empresa petrolífera) prevê concluir um contrato de 22 mil milhões de euros com o Irão. Este incremento das relações financeiras faz da Áustria e da Europa parceiros estratégicos e cúmplices de um regime político, que financia o terrorismo internacional e exerce violentas represálias contra a sua própria população, e que desenvolve armas nucleares que podem atingir a Europa e ameaçar a paz mundial. A perseguição sistemática do povo curdo, às minorias religiosas, como os Baha’i, a execução de homossexuais e as represálias contra as mulheres que se recusam submeter aos cânones islâmicos, são igualmente características do regime que profere ameaças genocídas contra Israel e contesta a existência do Holocausto.

As fantasias repressivas, punitivas e de martírio, que estão longe de ser puras fantasias, renovam sob novas formas políticas e religiosas com a obsessão extirpativa do Estado nacional-socialista, incluindo a disposição de sacrificar a própria população para atingir objectivos apocalípticos. Por este motivo a política de desencorajamento não funciona a partir do momento em que possuírem armas nucleares. Consequentemente, os que quiserem manter um diálogo com a República Islâmica do Irão, terão uma atitude comparável à tido com os nazis, que resultou na guerra de destruição mais mortífera da história da humanidade.

O contrato da OMV com o regime de Ahmadinejad constituiria um sucesso político e uma boa propaganda para o seu jihadismo destruidor, que tem por objectivo a instalação planetária da Umma islâmica.

Para evitar chegar a esta situação é necessário impedir o programa nuclear iraniano antes que seja tarde. Este é um momento único para levar a paz ao Próximo e Médio Oriente. Uma verdadeira oportunidade.

O mundo deve submeter permanentemente o Irão a uma pressão política e económica para reduzir o perigo que este constitui para o Estado de Israel. Isto significa que é necessário impedir a Europa de integrar este programa de destruição massiva, enquanto alvo dos mísseis nucleares e enquanto parceira da jihad. Por essa razão pedimos – em particular ao governo austríaco – que exista um «diálogo crítico» com os mullahs e que sejam tomadas as seguintes medidas:

  • interrupção imediata e unilateral das negociações entre a OMV e os mullahs iranianos.  
  • cessação das garantias financeiras dadas pelo  Kontrollbank austríaco aos contratos com os mullahs iranianos.
  • pronunciação de sanções  pela ONU e EU com o objectivo de enfraquecer e isolar o regime iraniano politicamente e economicamente.
  • apoio às forças da oposição iraniana que é a verdadeira alternativa ao actual regime e que se batem por uma sociedade laica e democrática.
publicado por nx às 14:48
link do post | comentar | favorito

No Deals with the Iranian mullahs!

Presentation of a broad campaign against the OMV-Deal and nuclear armament

Nobel Prize Laureate Elfriede Jelinek cautions against opening Pandora's box

Prominent support for call against the new appeasement

 

The non-partisan platform "STOP THE BOMB - Coalition against the Iranian extermination program" launches today a signing petition against deals with the Iranian mullahs. The impending completion of the mega-deal between the Austrian Oil Management Company (Oestereichische Mineraloelverwaltung - OMV) and the Iranian terror regime is prompting this petition. The anti-Semitic, apocalyptic Ahmadinejad is leading a regime that outright threatens Israel, and implicitly the West as well, with nuclear annihilation. Whereas the world attempts to avert this menace, a company - of which the state of Austria is its largest shareholder and owns 31.5 percent - undermines these peace efforts.


"The OMV views a country whose leadership exhibits a suicidal sense of mission and a determinedness to obliterate another country as an 'ideal partner' for business. It appears as though Austria intends to downright push itself forward in order to establish itself as a commercial hub, but unfortunately not as an agent of change, for this anti-Semitic and totalitarian Iranian regime", said Elfriede Jelinek. The Nobel Prize Laureate together with numerous prominent individuals coming from almost all walks of life are among the first signers of the campaign "No Deals with the Iranian mullahs". Some of the supporters are: Alfred Dorfer, Robert Schindel, Lotte Tobisch, Dr. Ariel Muzicant, Prof. Arik Brauer, Dr. Ing. Kazem Moussavi, Dr. Elisabeth Pittermann, Dr. Erwin Riess, Hon. Prof. Dr. Wolfgang Neugebauer, Marika Lichter, Dr. Matthias Küntzel, Walter Kohl, Gerhard Haderer, Hermann Gremliza, Karl Pfeifer, Leon De Winter and Beate Klarsfeld.

 

For a long time Austria refused to acknowledge its complicity in the extermination of European Jews, and Austria is now demonstrating, in light of its WW 2 history, hollow talk of "responsibility" and "never again!". For former city councilwoman a.D. Elisabeth Pitterman, this failure to learn from history shows once again: "The fight against anti-Semitism is regarded at best as synonymous with coping with the past, but never as an effort of the present."


Nowadays, too, the anti-Semitic furor can not be subdued through ignorance and denial. In contrast to those who due to financial interests play down and gloss over the threats of annihilation towards Israel, we, the initiators of this campaign, take the words of a Dictator seriously. Whoever denies the Nazi crime against humanity, or lets them be denied at conferences, just as Ahmadinejad did, is preparing for the next murder of Jews. Wolfgang Neugebauer (Action against anti-Semitism in Austria) said: "As a historian I know that shying away from totalitarian dictatorships can have catastrophic consequences. The Western appeasement policy of 1938 facilitated the successes of Hitler Germany significantly and ultimately led to an even wider war than would have been the case, had there been timely and decisive resistance. The Shoah and other genocides in Europe would not have been possible, had Hitler Germany already been restrained in 1938. From this one should learn."


The signers demand the cessation of a "critical dialog" with the regime in Tehran in favor of comprehensive political and economic sanctions. "The negotiations between the OMV and the Iranian Mullahs as well as credit subsidies by the 'Oesterreichische Kontrollbank AG' for such deals have to be discontinued immediately. The Iranian nuclear program has to be stopped early enough in order to give peace in the Middle East a chance," warned musical star Marika Lichter.

 

Dr. Ing. Kazem Moussavi (Green Party of Iran) demands that the dialog should be led with the Iranian opposition and no longer with the mullahs. All trade with the regime consolidates its power.

"As a result, the Pandora's box would truly be opened. Something horrendous would thereby emerge", according to Jelinek.

Attachment:

Call: No Deals with the Iranian mullahs!

By the end of this year, Austria's biggest state-controlled oil company, OMV AG, plans to enter into a 22 Billion Euro Agreement with Iran. This agreement will irrevocably turn Austria and Europe into strategic partners and accomplices of the Iranian political regime; a regime that supports international terrorism and violently represses its own population: The Iranian determination to develop nuclear weapons which could directly affect Europe’s security, is posing the greatest threat to world peace.

The systematic persecution of Kurds, religious minorities such as the Bahai, and the executions of homosexuals as well as the ongoing repression of women who don’t submit to the Islamic moral code, are essential elements of this regime, as are the continuous threats of annihilation towards Israel and the renouncement of the Shoah.


The mullahs’ self-delusional fantasies of sacrifice and martyrdom, which are actively put into practice, tie in with the Nazis’ delusions of extermination by new religious and political means, including the willingness to sacrifice their own population for the apocalyptic goals of the regime. As a result, the mullahs will be in possession of nuclear weapons, and this will render political deterrence useless. Those who are interested in doing business or entering into negotiations with the representatives of the Islamic Republic of Iran are driven into an appeasement position, which is comparable with the reluctant and hesitant attitude towards the Nazi threat, which not only encouraged but resulted in the largest war of extermination in Europe’s history.


The OMV would grant an economic and political as well as a propagandistic aide to the regime of Ahmadinejad and murderous Jihad-ism. The OMV oil deal helps to further the aspirations of the mullahs towards a worldwide establishment of a global Islamic Ummah.

In order to avoid this, it is necessary to stop the Iranian nuclear program before it is too late. This is the only opportunity for peace both here and in the Middle East.


Iran has to be placed under consistent economic and political pressure in order to avert any threat to Israel. This means to fight the danger of Europe taking part in this programme of extinction – while at the same time being target of nuclear missiles herself. We therefore call - particularly upon the Austrian government – for ceasing "critical negotiations" with the mullahs and demand instead to take the following measures:


- Immediate discontinuation of the negotiations between the OMV and the Iranian mullahs on the basis of unilateral sanctions.

- Cessation of any credit support provided by the Austrian Control Bank for transactions with Iran.

- Imposition of effective and comprehensive UN and EU sanctions in order to isolate the Iranian regime politically and economically.

- Support of those Iranian opposition groups which continue to fight for a secular, liberal and democratic Iran and provide for a genuine alternative to the current regime.
publicado por nx às 14:16
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

Comunicado do Conselho Nacional da Resistência Iraniana

Maryam Rajavi: «POAC judgment is a magnificent victory for justice and the Resistance as well as a message of firmness to religious fascism»
 
Nearly seven years after the proscription of the People's Mojahedin Organisation of Iran (PMOI) in the United Kingdom, today, after extensive scrutiny, the Proscribed Organisations Appeals Commission (POAC) issued a judgment which unequivocally declared the terrorist label against the PMOI unlawful, null and void.
 
Mrs. Maryam Rajavi, the President-elect of the National Council of Resistance of Iran, described today's ruling as a magnificent victory for justice, an acknowledgement of the righteousness of the Iranian Resistance and the PMOI, indicative of the awakened conscience of the international community and a message of firmness by the world community to the religious fascism ruling Iran.
 
Mrs. Rajavi congratulated the PMOI, the combatants of freedom in Ashraf City, Iraq, the Iranian people and all advocates of justice and freedom on this historic victory. She described it as a triumph of human values and achievements, including the recognition of the right to resist for freedom.
 
The Iranian Resistance's President-elect said the 35 British Peers and MPs, who challenged the proscription of the PMOI, were the aware conscience of the people of Britain, adding that they had rebelled against a great injustice to the Iranian people and Resistance.
 
Mrs. Rajavi paid homage to the memory of the late Lord Renton, one of the appellants, lauded and thanked all lawmakers, jurists, lawyers and those who had striven for many years to revoke this proscription.
 
She commended the honorable judges who voted with their judicial and human conscience and who were not persuaded by the policy of appeasement, pressures and obstructions. Mrs. Rajavi said that the judgment confirms the fact that from its inception, the proscription had been politically motivated only to mollify the tyrants ruling Iran.
 
She called on the British government to accept and implement the judgment without delay and remove all restrictions emanating from the proscription.
 
Mrs. Rajavi recalled that nothing in the past decade had prolonged the mullahs' rule and undermined democratic change in Iran more than the inclusion of the clerical regime's legitimate opposition in various terrorist lists.
 
She said, as became evident during the course of the hearing and in the documents the British government provided to the court, the bombing of the PMOI bases during the invasion of Iraq, which caused the martyrdom of dozens of the PMOI members, was carried out at the behest of the Iranian regime and justified by the terrorist label.
 
After today's ruling, Mrs. Rajavi, added, the European Union must immediately annul the unlawful terrorist label against the PMOI because the basis for that designation was the proscription of the PMOI by the British Home Office and because the European Court of Justice had annulled it.
 
The Iranian Resistance's President-elect recalled that the terror tag against the main Iranian opposition movement and the resultant restrictive measures were the most striking aspect of appeasing the religious dictatorship ruling Iran and the greatest obstacle to democratic change in Iran.
 
She said, by way of experience, the policy which sought moderates, promoted constructive or critical dialogue, and offered incentives to the religious dictatorship ruling Iran will have no result other than providing it with greater opportunity and motivation to act more aggressively.
 
The Iranian Resistance's President-elect added that the time had come to abandon any form of appeasement of, compromise with, and kowtowing to, the mullahs' regime, which is today justified under the veneer of "seeking peace." She added: Decisiveness is the only way to deal with a regime which is pursuing a nuclear bomb, seeking hegemony over, and filling the power vacuum in, Iraq, Afghanistan, Lebanon, Palestine, Yemen and Somalia, through the export of fundamentalism and terrorism. This warmongering regime has increased the range of its missiles which now reach European countries and has undoubtedly pushed the Middle East region and the rest of the world to the brink of a catastrophe.
publicado por nx às 14:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2007

Míssil iraniano capaz de atingir Israel e praticamente toda a Europa

O Irão anunciou, a 27 de Novembro, a fabricação de um novo míssil com o alcance de 2.000 km capaz de atingir Israel e as bases americanos do Médio-Oriente, relatou a agência oficial IRNA.

Segundo a agência de informação iraniana, o Ministro da Defesa iraniano, Mostafa Mohammad Najjar, declarou que o míssil "Achoura" foi fabricado nas fábricas pertencentes ao Ministério. Os peritos que Teerão trabalhe actualmente na contrução do míssil "Shahab-4" com um alcance de 2.000 a 3.000 km que lhe permitiria atingir alvos em quase toda a Europa.




Iran-Missile-Minister

Iran is developing 2,000-km-range missiles named, ’Ashoura’ and ’Qadr’, Minister of Defense Brigadier General Mostafa Mohammad-Najjar said on Tuesday.

Speaking at a ceremony held to honor the ministry’s Basij (volunteer) forces, the minister said that the long-range missiles were at the stage of production by experts of the Defense Ministry.

"The missiles are being made in line with Iran’s deterrent and defense doctrine," Mohammad-Najjar said.

"Various types of anti-armour missiles, rackets, tanks and vessels have been designed and developed by experts of the Defense Ministry," added the minister. He said the Sa’eqeh (Thunderbolt) and Azarakhsh (Thunder) fighter planes, Ghadir submarine and Mowj (Wave) destroyer were other stances of major achievements made by the ministry’s experts in developing different types of vessels. Mohammad-Najjar stressed that new plans were prepared for maximizing the power of Iran’s naval force.
tags: ,
publicado por nx às 10:13
link do post | comentar | favorito

Iraqi Shiites' Real Voice

Alireza Jafarzadeh

[29-11-2007] Since the United States invasion of Iraq in 2003 and the fall of Baghdad in April of that year, there was a false consensus created, suggesting that Iraqi Shiites are represented by clerics who are close to Tehran, i.e. the Supreme Council for the Islamic Revolution in Iraq (SCIRI).

During the parliamentary elections, the United Iraqi Alliance (UIA) won most of the seats in the 275 member Council of Representatives of Iraq. As a result, Tehran claimed victory and sought a bigger share of influence in Iraq.

The reality, however, was otherwise. There were many indications that the majority of the Shiite population in Iraq were secular, independent-minded, and would not endorse Tehran's Velayat-e Faqih system that is based on the absolute rule of clerics. Pro-Tehran Shiites, well funded, trained and armed by Iran, managed to overwhelm the voice of the Shiite majority who did not have the opportunity to stand on its feet before being intimidated or eliminated by Tehran-sponsored Shiite death squads.

There is now a major shift in the balance of power in favor of the more moderate voices of Shiites in Iraq as opposed to the more radicals closely aligned with Tehran.

More than 300,000 Shiites in southern Iraq, believed to be Tehran's stronghold, signed a statement calling for an end to what they referred to as "Iranian terrorist interferences," and demanded the United Nations to investigate the Islamic republic's involvement in Iraq.

Sheikh Jassim Al-Kazim, leader of the Independent National Democratic Tribes' Assembly, in interviews with major Western media in Baghdad, said that the statement's signatories include 14 clergies, 600 sheikhs, 1,250 jurists, 2,200 physician, engineers, university professors and 25,000 women.

"The Iranians, in fact, have taken over all of southern Iraq," said a senior tribal leader from the south who spoke with the Washington Post on condition of anonymity because he feared for his life. "Their influence is everywhere."

"The most painful stab in the back of the Shiites in Iraq by the Iranian regime has been its shameful abuse of Shiite religion to achieve its ominous end," the sheiks said in the statement. "The only solution and hopeful prospect for Iraq, and in particular the southern provinces, is the eviction of the Iranian regime from our homeland."

Contrary to suggestions in recent weeks that Iran was slowing the flow of bombs, money, and other forms of support to Shiite extremists in Iraq, a top commander of the U.S. forces in Baghdad said on November 26, that there has been no letup in attacks and weapons-smuggling by Iranian-backed Shiite militants in some parts of Iraq's capital.

Despite a 75 percent decline in overall attacks in his area, there was an increase last month in the most lethal kind of roadside bombs — the explosively formed projectiles (EFPs) that come from Iran, said Army Col. Don Farris who is commander for coalition forces in northern Baghdad.

The tribal leaders also told the media that their effort is being supported by the Mujahedin-e Khalq (MEK). The group is the main Iranian opposition, and has headquarters in Iraq's Diyala province in Ashraf city. Its members enjoy U.S. military protection in Iraq as "protected persons" under the Fourth Geneva Convention.

Sheikh Al-Kazim, in an interview with Al-Jazeera TV, said that the statement condemned the Iranian regime's allegations against the MEK and declared their support for the organization.

In an interview with the Iraqi daily, Az-Zaman, Ayad Allawi, former Iraqi Prime Minister and current head of the Iraqi National Accord, emphasized the legitimacy of the continued presence of the MEK in Iraq. Allawi, himself a Shiite, added that a section of the MEK, as a political movement, exists in Iraq with limitations on its activities, while other parts of it operate in Iran and the rest of the world. He stressed that eviction or expulsion of MEK members (Tehran's main demand from the Iraqi government) has no place in Iraqi values or principles.

In addition, Iraqi Vice President Tariq Al-Hashemi told the Al Hurriyah TV, which is affiliated with the Patriotic Union of Kurdistan (PUK), the party of Iraqi president Jalal Talabani, that "the presence of the Iranian Mojahedin [MEK] in Iraq is based on the international conventions recognizing members of the organization as political refugees."

The new realities of Iraq indicate that the United States should empower the coalition of the more moderate and anti-Tehran Iraqis, which includes both the Sunnis and the Shiites. Iraqis believe that the main Iranian opposition has played a very constructive role in Iraq in order to isolate Tehran and its proxies; U.S. should recognize and enhance this role by removing all restriction from the MEK.


Alireza Jafarzadeh is a FOX News Channel Foreign Affairs Analyst and the author of "The Iran Threat: President Ahmadinejad and the Coming Nuclear Crisis" (Palgrave Macmillan, 2007).

Jafarzadeh has revealed Iran's terrorist network in Iraq and its terror training camps since 2003. He first disclosed the existence of the Natanz uranium enrichment facility and the Arak heavy water facility in August 2002.

Prior to becoming a contributor for FOX, and until August 2003, Jafarzadeh acted for a dozen years as the chief congressional liaison and media spokesman for the U.S. representative office of Iran's parliament in exile, the National Council of Resistance of Iran.

publicado por nx às 09:47
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

Tribunal intima Governo britânico a respeitar Organização dos Mujahedines do Povo do Irão

Paulo Casaca aplaude vitória da justiça sobre a tirania

 

O Deputado Paulo Casaca congratulou-se, esta sexta-feira, com a decisão da justiça britânica de intimar o Governo do Reino Unido a retirar, com efeitos imediatos, a “Organização dos Mujahedines do Povo do Irão”, da lista de organizações terroristas.

 

A leitura da sentença do processo, interposto por um conjunto de 35 parlamentares britânicos, decorreu esta manhã em Londres e põe fim a sete anos de restrições colocadas à principal organização de oposição ao regime ditatorial iraniano considerando a sua proscrição como nula e sem base jurídica.

 

Recorde-se que, por exclusiva iniciativa do Reino Unido, e na sequência da decisão que foi agora anulada, a União Europeia listou a OMPI como organização terrorista. Recorde-se, igualmente, que essa decisão foi, por sua vez, também anulada pelo Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias, a 12 de Dezembro de 2006, mas o Conselho recusou-se a cumprir essa decisão, pendendo por isso um processo contra este por desobediência à justiça.

 

Paulo Casaca considerou que “a decisão da justiça britânica torna ainda mais absurdo e insustentável o desrespeito pela decisão do Tribunal Europeu por parte do Conselho”.

 

O parlamentar português salienta que “não basta anular a decisão de perseguir as vítimas do terrorismo, apelidando-as de terroristas, mas é agora necessário também combater os verdadeiros terroristas, que são os Guardas Revolucionários do Irão e as suas várias organizações satélite e associadas no Iraque, Líbano, Síria, Palestina, Yemen, Somália e Afeganistão, invertendo a política de apaziguamento para com o fanatismo e terrorismo internacional”.

Mulheres combatentes dos Mujahedines do Povo
publicado por nx às 18:56
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Democracia e terrorismo: os equívocos iraquianos

   Paulo Casaca

[28-11-2007] Foi com o maior atentado terrorista até hoje cometido que o presidente norte-americano deu uma volta completa ao seu discurso e programa de acção. De um programa muito próximo da tradição isolacionista republicana temperada por algum intervencionismo "real-politik" com que se tinha apresentado ao eleitorado passou para a problemática da democracia no Médio Oriente como forma de combate ao terrorismo.

Essa viragem, que foi apenas esboçada com a intervenção no Afeganistão, em que, mais do que qualquer preocupação ideológica, o bom senso realista ditava que não era possível tolerar a organização de operações de guerra como a do 11 de Setembro a partir de um Estado legalmente constituído, assumiu-se na sua plenitude com a operação militar do Iraque e o aumento da pressão sobre todo o Médio Oriente no sentido da democratização.

Se bem que seja ainda cedo para fazer um balanço final dessa política, não há hoje ninguém, incluindo George Bush, que não tenha concluído que ela até agora falhou espectacularmente.

Muitas razões foram avançadas até hoje para explicar o falhanço, mas ninguém parece ter até hoje olhado com atenção para o aspecto essencial da equação: a forma como o terrorismo foi promovido em nome da democracia no Iraque.

É certo que já em 2005 o relatório oficial do Congresso Norte-Americano sobre o 11 de Setembro concluía que não se tinha provado nenhuma relação orgânica entre o regime de Saddam e a "Al-Qaeda", contrariamente ao que se poderia constatar acontecer entre essa organização e o Irão. Realmente, quem olhar para a principal biografia não autorizada de Zarkaoui (Brisard, Jean-Charles, Zarkaoui, Le nouveau visage d'Al-Qaida, Fayard, 2005) constata que este passou os anos que antecederam a formação da "Al-Qaeda no Iraque" entre o Irão e a Síria. A opinião de que a "Al-Qaeda no Iraque" obedece a Teerão é, de resto, unanimemente partilhada pelos dirigentes de todas as facções parlamentares iraquianas que são conhecidas como "sunitas" e que são, não por acaso, o alvo privilegiado desta organização.

O terrorismo – tal como definido pelo antigo secretário geral das Nações Unidas Kofi Annan, como violência política dirigida contra não combatentes – ultrapassa em muito o quadro desta organização mais mediática, e tornou-se um verdadeiro fenómeno de massas no Iraque quando um dos líderes das brigadas Badr (Bayan Jabr) se tornou Ministro do Interior e promoveu o rapto, tortura e execução de milhares de civis pelas brigadas infiltradas nas forças de segurança, utilizando para isso não só os recursos oficiais mas também uma extensa rede de cárceres privados.

As brigadas Badr são identificadas – no que a meu ver continua a ser a melhor obra global sobre o fanatismo terrorista fanático (da autoria da equipa dirigida pelo juiz Galeano como acusação pelo atentado terrorista de Buenos Aires de 1994, e que neste particular toma acertadamente o maior especialista teórico na matéria, Bruce Hoffman, Inside Terrorism) – como a primeira organização de "terrorismo religioso".

Fundadas, organizadas, dirigidas e financiadas no Irão, e de resto constituídas e dirigidas em larga medida por nacionais iranianos, tendo por primeiro dirigente nomeado pelo Ayatollah Khomeiny, o actual responsável pelo sistema judiciário iraniano, Hashemi Shahroody, as brigadas Badr são a organização gémea do Hezbollah libanês.

Tal como testemunhado por dirigentes da resistência iraniana Ahwazi, as casernas de ambas as organizações situavam-se lado a lado no Ahwaz (Sudoeste do Irão, maioritariamente árabe) e eram treinadas ideológica e militarmente pelos mesmos guardas revolucionários iranianos.

O Hezbollah libanês, recorde-se, foi de longe a organização que mais cidadãos norte-americanos matou até ao 11 de Setembro. O líder do Hezbollah libanês, Husseini Nazrallah é primo direito de Bakr Al-Hakim, dirigente do "Conselho Superior da Revolução Islâmica no Iraque" (SCIRI, no acrónimo inglês) ramo político das brigadas Badr durante a invasão de 2003.

A Resistência Iraniana revelou recentemente a lista nominativa de 31.690 operacionais das brigadas Badr que já antes de 2003 eram simultaneamente membros do destacamento Jerusalém dos Guardas Revolucionários Iranianos (departamento iraniano para o terrorismo no exterior) e que continuam a ser pagos enquanto tal. 

As brigadas Badr – ou o seu ramo político SCIRI – constituíram o núcleo duro das forças "iraquianas" organizadas pelos EUA para tomarem conta do Iraque após a invasão, lado a lado do "Congresso Nacional Iraquiano", organização que apesar de contar com muitos expatriados iraquianos democratas era dirigida por Ahmed Chalabi, figura próxima de Teerão. Da mesma coligação fizeram parte também as forças curdas.

Charles Glass (The Northern Front, A wartime diary) explica a organização dessas forças no Curdistão iraquiano no final de 2002, entradas pela fronteira com o Irão sob escolta dos guardas revolucionários iranianos. Quando da invasão, Glass estima em 3.000 homens os efectivos das brigadas Badr no Curdistão.

A revista Time (Time Magazine, 22 de Agosto, 2005 vol. 166 nº 8) descreve a forma como os muitos milhares de membros das brigadas Badr procederam à ocupação efectiva do Sul do Iraque na retaguarda do avanço americano. De facto, foi logo a partir daí que estas ocuparam posições nas administrações públicas e começaram a execução sumária dos opositores.

Lado a lado com o SCIRI, os EUA colocaram também no poder o partido Al Dawa, movimento político iraquiano relativamente antigo com numerosas facções, quase todas elas com fortíssimos laços com Teerão.

O Al Dawa tornou-se internacionalmente conhecido pelo ataque terrorista que desencadeou contra a Embaixada dos EUA no Kuwait por encomenda iraniana em 1983. Há dias, esse evento foi recordado quando as autoridades kuwaittianas pediram a extradição de um dos condenados por esse ataque terrorista, Jamal Ebrahimi (também conhecido pelo seu nome de guerra, Abu-Mohandes) actualmente deputado e dirigente da chamada coligação xiita no Iraque, colega de partido do Primeiro-Ministro do Iraque e que se acolheu no Irão quando o pedido de extradição foi endereçado às autoridades iraquianas.

Quem ler a biografia não publicada de Nouri Maliki, actual Primeiro Ministro iraquiano pelo partido Al Dawa, verá também que este esteve de 1979 a 1987 no "Shahid Sadr Hezb al-Dawa" batalhão estacionado no Ahwaz e, sob a supervisão dos guardas revolucionários iranianos, responsável por ataques terroristas como o de 1983 no Kuwait.

Paralelamente a estas duas facções, a coligação xiita no poder no Iraque tem ainda como forças mais importantes duas milícias conhecidas pelas actividades terroristas que, contrariamente às outras duas, têm também por alvo directamente as forças norte-americanas.

Para além do terrorismo promovido pela Al-Qaeda e pela aliança xiita, existe também a violência e actos de terrorismo promovidos pela chamada resistência, que tem apoio na camada da população designada por sunita e que, hoje em dia, se assume tanto como resistência contra a ocupação declarada americana como contra a ocupação não declarada iraniana.

Se tivermos em conta que a coligação iraquiana no poder depois da invasão terá saneado cerca de dois milhões de funcionários, entre os quais centenas de milhares de membros das anteriores forças de segurança – que constituíram portanto uma fonte de recrutamento privilegiada para essa resistência – podemos compreender como ela é fruto directo da mesma política com que foi gerida a ocupação do Iraque.

Os dirigentes americanos têm-se esforçado para tapar o Sol com uma peneira, recusando reconhecer a evidência de que (1) a razão pela qual existe uma encarniçada resistência no Iraque mais do que à maldade congénita do baathismo, se deve ao facto de não ter sido dada outra alternativa às elites dirigentes do país; (2) tal como no Irão, os discursos simpáticos de alguns dirigentes dos partidos pró-iranianos são apenas a outra face do terrorismo promovido pelos seus colegas de coligação, não havendo entre eles qualquer divergência substantiva. As principais organizações iraquianas que os EUA chamaram para "democratizar" o Iraque são organizações fanáticas, dirigidas por Teerão, envolvidas em actos de terrorismo, nomeadamente contra alvos americanos.

A verdade nua e crua é assim a de que as forças da coligação ocidental promoveram a destituição de um ditador e a destruição do Estado iraquiano – um e outro sem ligações ao terrorismo fanático contemporâneo – fazendo-os substituir pelas principais forças do terrorismo, paradoxalmente, em nome da "luta contra o terrorismo" e da "promoção da democracia".

Para além das inevitáveis teorias da conspiração que se alimentam deste encadeamento extraordinário de factos, e ao fim de vários anos que tenho dedicado a tentar perceber este fenómeno, cheguei à conclusão de que ele se deve acima de tudo à ignorância ocidental sobre a realidade do Grande Médio Oriente, que o tornou presa fácil da manipulação.

Recentemente George Bush começou enfim a dar sinais muito ténues de querer entender a realidade do Iraque, afirmando a necessidade de uma estratégia de "containement" do regime iraniano, prendendo mesmo alguns iranianos ou de obediência iraniana com lugares ministeriais, estratégia que qualquer elementar bom-senso ditava que tivesse seguido desde o início.

Para que a estratégia da "democracia para o Médio Oriente" possa vir a ser retomada e para que haja um futuro para o Iraque é essencial deixar de tratar os que querem a democracia como terroristas, e os terroristas como os que querem a democracia.
publicado por nx às 14:24
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

A violência interna praticada pelo regime iraniano



Prisões e brutais ataques em Teerão no passado dia 25 de Novembro. Forças de segurança do regime iraniano invadiram habitações e prenderam 427 homens à frente das mulheres e filhos usando o pretexto da luta anti-droga.
These are recent pictures of the Iranian regime's security forces attacking people's homes in Tehran. In these operations, 427 people were  brutally arrested in front of their children and wives under the pretext of  fight against drug trafficking.
publicado por nx às 18:05
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007

From Berlin to Baghdad

  Paulo Casaca

1. The end of the beginning

The convenient beginning is the end, the famous "end of history" of Francis Fukuyama, the convenient end being the beginning, the real beginning of a new era of democracy, tolerance, respect and freedom.

The crumbling of the Soviet regime surprised the vast majority of the observers and experts that had to struggle to find a convenient explanation for the sudden end of the longest war ever fought without a single shot (that is, in the main battle field).

Some saw the wisdom in Ronald Reagan tough stance, some others on the long containment policy (trying to forget how disastrously it failed in Southeast Asia, Africa and the Middle East) and Mr. Fukuyama decided to amuse himself using the philosophical Hegelian dialectics of Marxism to explain the failure of its own creation.

Somehow, what can only be read as an act of humour, became the most significant masterpiece on the "post - Berlin wall" doctrine, and most in the West decided to believe in the charade that made the advent of democracy so dead certain as the socialism and communism had been in the historic determinism of the Hegel-Marx cocktail (whose main cook was actually Stalin).

So democracy was to rule everywhere, if you would just allow the forces of history to carry out their job.

Right from the start, democracy had indeed a no-go area: the Greater Middle-East. There, Gulf oil than whatever else, Palestinian interests were thought to be defended by curbing Israel, not by assuring democracy and the rule of law, and the Iranian regime got a sudden boost by the threat posed by the invasion of Kuwait by Saddam Hussein.

Nearly two decades after the beginning of the disintegration of the Soviet Empire, democracy actually flourished in places where it had old roots, like in Central Europe, in Chile and other parts of Latin America, it got a nice try in Lebanon with the Cedars Revolution, succeeded spectacularly in Taiwan and South Korea, countries that experienced a phenomenal development in the previous decades, was confirmed in India and found in Brazil a new geopolitical centre, but failed in most of the rest of the World.

Still, the conventional wisdom goes with the historic determinist logic, and nowhere else is this more obvious than in China, where it was assumed that one just had to wait for the average Chinese to get sufficiently rich for the totalitarian state to fall like the old skin of a snake.

In the mean time the possibility of this wealth becoming the motor not only of dictatorship in China but in the rest of the World was never considered. Recent events confirming China as one of the champions of World dictatorships from Burma to Zimbabwe are an evidence of how wealth did indeed become the driving force for dictatorship rather than the reverse.

2. The Iraqi disaster on the making

The so-called neo-conservatives were the ones that diverged from this common wisdom and dared to say that if you want democracy you have to fight for it, and their vision gained a new momentum with September eleven.

Otherwise, with the fall of the Twin Towers, the conventional wisdom of the Middle-East as a no-democracy area also crumbled and the American Giant decided to take matters into its own hands.

So, at this stage, it is important to clarify that I fully subscribe to two of the basic points that emerged in the consensus of that time behind the intervention on Iraq:

1. The Great Middle-East is the present crucial battle ground;

2. Democracy is as good a recipe for the Greater Middle-East as it is for everywhere else.

Furthermore, for some time, I assumed that the Western leadership would understand that Islamic fanaticism was the main issue and, therefore, the intervention in Iraq could be seen as nothing else than as an intermediate step to challenge fanaticism in the region, starting by Iran.

I wrongly assumed that after the 1991 experience, when the advancing American army, looking back, found flags showing Khomeini's portrait, it was common knowledge that the Iraqi operation had to face confront from the start.

Besides that, there were clever and pro-Western Iraqis that had explained the possible ways forward for an Iraqi intervention, such as Adnan Al-Pachachi and Ayad Allawi.

They understood that the Baathist ideology had crumbled, Iraq had been decades before perhaps the most advanced country in the Middle-East (with better economic, social and even political indicators than my own country, Portugal) and it became a disaster with Saddam.

If not a fully-fledged democracy, it would be possible to establish an authoritarian but benign state over there, which would not threat his neighbours, would give a better life to its citizens and could become a platform to face the fanatic beasts.

To do so, you did not need much, as they correctly assessed that the Tikrit clan was ever more isolated and the bulk of Iraq would feel relieved to get read of Saddam Hussein. However, the danger posed by the Iranian led Iraqi forces was the main question that had to be correctly managed.

US departments that have been often accused of being responsible for the major blunders of the country's foreign policy, like the CIA, were backing this perspective, so one could face the future with some optimism, I thought.

That was not to be!

Sensible people were sent to the gutter, adventurers with conspicuous relations with the Iranian theocracy were sent in; the first ever modern terrorist group, created as a special department of the Iranian Revolutionary Guards (the Superior Council for the Islamic Revolution in Iraq) was given space to occupy most of Iraq. One just had to read the existing literature on terrorism to find out about the terrorist credentials of this organisation.

If this was not enough, the post-invasion managed to be much worse. Iranian demands were rapidly and consistently fulfilled, from bombing and killing of its opponents in Iraq; to dismantle the Iraqi State (beginning with the Armed forces and the police); to classify Tribes as "back warded"; and to lavishly subsidise religious structures.

The West promised democracy, but instead, it imposed an Islamic Revolution in Iraq. The autopsy of this blunder is yet to be made, but some sketchy traits are already clear.

Going through recent bibliography about the Iraqi specifically or the US and the UK in relation with the Iraqi operation, one gets an image of a leadership deeply ignorant, incompetent and hooked on action at any price.

This is certainly the fundamental factor to explain how things turned out so badly, but it is not enough.

To find out the real dimensions of the problem, the UK may be a better playground, as the UK leadership can be taken to suffer less of these three diseases. "Occupational hazards" from Rory Stewart is a first hand account of a top civil servant acting as Governor and assistant Governor in two Southern Iraqi provinces in 2003/2004. It shows how the UK actively backed the Iranian occupation of the country, for which the author does not feel any remorse anyway.

It is my conviction that only a large Iranian penetration in the main decision centres of the West can explain what happened.

In other words, for understanding the dimension and reason why of the disaster, one has to assume that, besides the now jailed former Congressman Bob Ney, there are other people in the central structures of power (power in the political, media and civil society dimensions) acting on behalf of the Iranian regime.

Actually, how can we understand that the official policy of the US is still to back Mr. Maliki as Prime-Minister of Iraq after all the evidence he gave that he obeys to Iranian interests?

One can doubt the reports that show him, already in 1983, as the master minder of his party terrorist attacks against the US Embassy in Kuwait, but one cannot ignore the reality that US Generals are witnessing and transmitting from Iraq.

In fact, the US policy is leaning for both two bad options: a military strike on Iran, sponsored by the Defence structure, and the continued appeasement policy, sponsored by the bulk of the rest of the World together with a big chunk of US diplomacy.

3. The third option

The main danger is the Iranian theocracy. The appeasement partisans, the very same that, in the State Department, refused to classify Al Qaeda as a terrorist organisation in 1997 when it was decisive to do so, now says that the US should concentrate on fighting Al Qaeda and not fighting Iran.

This is not taking into account that - both before and after the Taliban interlude - Al Qaeda has been working in Tandem with the Iranian regime, and it has no other strategic perspective than the Iranian theocracy perspective.

Saudi Arabia is the first target of Al Qaeda and it is ludicrous to confuse both of them. Actually, Saudi Arabia promotion of jihadism took place, to a large extent, as a way to compete with Iran as the leading force in Islamic Orthodoxy.

For Saudi Arabia this battle is lost, and it is the survival of the regime that is at stake, not at the hands of the democratic forces, unfortunately, but at the hands of the Iranian stooges.

The situation might change if the Taliban proxies take hold of Pakistan, but we are not there yet.

So, after understanding the geography of the problem, it is also fundamental to understand its nature: it is indeed Islamic fanaticism, a phenomenon that has ideologically survived for a long time and that shows a new and unexpected strength, especially because it has a powerful, developed and skilled country behind it.

A military solution to the problem is certainly even more elusive than it was in Iraq, and we have to come to terms with a reality where a containment policy is the best solution, containment that should start by reversing the existing policy on the Iranian opposition, should continue with smart sanctions - diplomatic to start with - should centre on its eviction from his present number one expansion territory: Iraq, closely followed by the other countries where it is installing itself: Palestine, Lebanon and Syria.

Iraq is a possibility, if we just stop supporting the enemies of democracy, if we assist those who want to keep Iraq together, if we find an intelligent solution to come about Kurdistan, if we involve the Arab League and the Arab Iraqi neighbours, if Europe gets fully engaged, and if the US concentrates on dealing with the Iranian theocracy threat.

Then, we must find a strategy to promote democracy everywhere, with the Greater Middle-East as a top priority. What we learned up to now is that it is much easier to do so when there are democratic traditions, when there is development and a certain level of living standards, but we have to go further than reciting the obvious.

For now, I think it is necessary to bear in mind that democracy does not become a reality just because you hope so and it does not work either just by military means, but we need still to go a long way to have a proper adapted strategy to address the issue.

Brussels, 2007-10-17

tags: ,
publicado por nx às 22:17
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

O alerta de Thérèse Delpech

    por Paulo Casaca

Depois de "O enselvajamento [ensauvagement no original], o regresso da barbárie no século XXI" editado em 2005, "O Irão, a Bomba e a Demissão das Nações" editado em 2006 (sobre o qual fiz uma recensão crítica no Expresso das Nove, publicada a 20 de Outubro de 2006), o novo livro de Thérèse Delpech, "O Grande Perturbador, reflexões sobre a Questão Iraniana" chegou recentemente às livrarias.

Trata-se de longe a autora que melhor compreendeu e escreveu em língua francesa sobre o perigo civilizacional de primeira importância que representa a teocracia iraniana e a política de apaziguamento do Ocidente em relação a ela.

Com uma escrita notável, uma erudição excepcional em matéria de defesa e segurança, uma clareza de raciocínio e verbo ímpares, a autora conduz neste terceiro livro da trilogia um arrasador libelo acusatório à diplomacia europeia a quem dedica o seu revelador posfácio:

Quem teria dito: "A experiência é uma escola em que as lições são caras, mas é a única em que mesmo os imbecis podem aprender qualquer coisa?" eu mesma não sei muito bem, mas pouco importa: são estas as minhas últimas palavras.

O problema não é necessariamente o da imbecilidade (embora esta também dê uma ajuda) e, contrariamente ao que parece pensar Thérèse Delpech, os diplomatas americanos não se revelaram mais brilhantes, sendo que o desastre iraquiano (de cuja realidade e dimensão a autora não se apercebe) ultrapassa em ignorância, incompetência e irresponsabilidade o pior que já foi produzido deste lado do Atlântico.

Mas, tal como afirma Delpech, nas palavras que antecedem o posfácio:

Neste quadro, onde está a política europeia? Procuramos por ela em vão nas negociações dos últimos anos. O que não impedirá em qualquer caso as nossas capitais de sofrer as consequências das crises nucleares que se perfilam no horizonte. Os erros diplomáticos podem ter efeitos tão desastrosos como os erros militares.

Com a ressalva de que o desastre negocial conduzido pela troika (Reino Unido, Alemanha e França com a inestimável ajuda de Javier Solana) em nome da União Europeia não condiciona apenas aquelas ou outras capitais, mas nos condiciona a todos, a questão é precisamente esta: a estratégia negocial europeia com o Irão foi suicida, e ninguém parece ter a coragem de gritar que o rei vai nu.

O penúltimo capítulo - nesta viagem que estamos a percorrer em sentido inverso por este livro - termina de forma não menos significativa:

No dia em que a situação se tornar realmente alarmante sobre estas duas frentes [Coreia do Norte e Irão] sem dúvida que nos vamos lembrar do que se passou em 2005. Um célebre romance alemão dos anos 1930 chama-se "Os irresponsáveis". Um belo título. Porque não relê-lo? O seu autor é Hermann Broch.

O paralelo com os anos trinta é sistematicamente enfatizado pela autora o que, não sendo naturalmente original, ganha com ela uma nitidez de que não conheço outro exemplo. 


A autora - que tal como no seu livro anterior não se cansa de repetir que só graças à resistência iraniana o Ocidente soube do programa nuclear iraniano - não ousa questionar a política pseudo-anti-terrorista do Ocidente que em vez de classificar o regime iraniano como terrorista, aceitou negociar com ele a classificação de terrorista para o seu principal movimento de oposição, embora este seja um elemento decisivo para entendermos o que aconteceu, também aqui, diga-se de passagem, copiando para pior a política de Daladier/Chamberlain perante Hitler.

Com efeito, quando as diplomacias ocidentais resolveram apelidar de "terroristas" os resistentes checos (e a Checoslováquia era a única democracia oriunda do refazer do mapa da segunda guerra) em obediência aos seus acordos com Hitler, não foi como resposta ao facto de os resistentes checos terem denunciado os planos militares alemães.

Contudo, foi exactamente isso o que aconteceu em relação à OMP, Organização dos Mujahedines do Povo do Irão.

Ponta Delgada, 2007-11-03

publicado por nx às 15:41
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Outubro de 2007

O "Che" versão Teerão

Nos últimos anos foram publicadas algumas obras de investigação histórica sobre Che Guevara – algumas que se limitam a citar as memórias do próprio – que nos dão uma imagem bastante mais negra do personagem do que aquilo que faz parte da biografia oficial que chegou aos nossos dias.

Ernesto Che Guevara, longe de ser um romântico revolucionário partidário de causas perdidas, esteve pessoalmente envolvido nos piores massacres cometidos pelo regime castrista imediatamente após 1959, quer das centenas de partidários do anterior regime, quer dos que participaram na invasão da "Baía dos Porcos", quer de anónimos camponeses tidos como traidores ou mesmo de vulgares ladrões.

A última tentativa de apropriação do mito com o objectivo de promover uma nova causa totalitária foi desenvolvida pelo regime teocrático iraniano em parceria com a Venezuela de Chavez através de uma conferência que decorreu na Universidade de Teerão denominada de "Che como Chamran", como nos esclarece Amir Taheri num interessante artigo que publicou no New York Post a 12 de Outubro, e de onde tirámos a generalidade das referências aqui utilizadas.

Mostafa Chamran foi iraniano partidário do fanatismo islâmico que se tornou cidadão americano nos anos sessenta e fundou posteriormente o "Amal", grupo de guerrilha xiita libanês que ainda existe, mas que antes de ser ultrapassado pelo Hezbollah era o principal grupo fanático islâmico do Líbano.

Em 1979 Chamran voltou ao Irão tendo-se tornado Ministro da Defesa de Khomeini em 1981, morrendo pouco depois, aparentemente, de forma acidental.

A ideia da conferência era exactamente a de casar os dois mitos, convidando para isso Mahdi Chamran, irmão de Mostafa e um dos homens de mão de Ahmadenijad, e os filhos de Che, Aleida e Camilo a dissertarem sobre eles.

A operação era notoriamente difícil, porque se há coisa que o fanatismo islâmico odeia mais profundamente do que a democracia, o liberalismo e o Ocidente, é o comunismo, marxismo ou qualquer outra forma de doutrina política próxima do ateísmo.

As coisas correram relativamente bem para os organizadores durante a maior parte da conferência, enquanto os vários oradores se dedicaram a invectivar os EUA e a democracia e a dar vivas à "revolução" mas o caldo acabou por se entornar quando um dos principais oradores, o coordenador da "Associação de Voluntários para o Martírio" Hajj Saeed Qassemi, homem chave na máquina terrorista do regime iraniano, resolveu esclarecer que o Che:

Era um homem verdadeiramente religioso que acreditava em Deus e odiava o comunismo e a União Soviética.

Tendo ainda acrescentado que:

Hoje, o comunismo foi despejado para o caixote do lixo da história, como foi previsto pelo Imam Khomeini (...) portanto, os progressistas em todo o mundo têm de aceitar a liderança do nosso movimento religioso pró-justiça.

Foi um sapo demasiadamente grande para ser engolido por Aleida que pediu o direito de esclarecer que: "O meu pai nunca falou em Deus" perante uma assembleia petrificada pela blasfémia.

Em resposta, Qassemi esclareceu que tanto Guevara como Castro apenas esconderam as suas crenças religiosas para assegurar o apoio soviético.

Já num outro encontro, na Universidade de Amir-Kabir, Camilo Guevara, apesar de frisar que o essencial que devia unir os "progressistas" era lutar contra os EUA, acabou também por repetir que o Che não acreditava em Deus.

A conferência desapareceu subitamente das agências noticiosas e da imprensa e os dois Guevara foram rapidamente convidados a deixar o país.

Duas semanas depois ninguém se pode admirar que a agência noticiosa oficial russa tenha noticiado um complot do fanatismo islâmico para assassinar Puttin quando da visita deste a Teerão.

Enfim, felizmente, o casamento das doutrinas comunista, nazi e fanática islâmica parece ser uma operação mais difícil do que o que pensaram os estrategos de Teerão.

 
Bruxelas, 2007-10-16

Paulo Casaca

publicado por nx às 20:42
link do post | comentar | favorito

Colaboradores

Paulo Casaca
Walid Phares
Raymond Tanter
Thomas McInerney
Alireza Jafarzadeh
Matthias Küntzel

posts recentes

Paulo Casaca promove deba...

Paulo Casaca promove disc...

Ethnicity and Human Right...

O relógio nuclear não pár...

Hipocrisia

Ameaças de Ahmadinejad

Reviver Praga

A ameaça de holocausto nu...

Paulo Casaca fala sobre “...

Paulo Casaca condena regi...

Paulo Casaca em várias in...

O Irão e a Al-Qaeda

Conferência Internacional...

Conferência Internacional...

Paulo Casaca no “National...

Paulo Casaca em Washingto...

Exile Group Claims Iran I...

Conferência promovida por...

A geopolítica do Gás

Protesto de Paulo Casaca ...

União Europeia instada a ...

A contra-ofensiva de Teer...

Paulo Casaca intervém em ...

A convulsão do Sudoeste a...

O Irão abandonou a corrid...

Os Mujahedin do Povo apre...

Iran and Syria Move Fast ...

Maryam Rajavi no Parlamen...

10 de Dezembro: Dia Inter...

Reacções internacionais a...

A CIA e o Irão

Podemos confiar na inform...

Assine a Petição:

No Deals with the Iranian...

Comunicado do Conselho Na...

Míssil iraniano capaz de ...

Iraqi Shiites' Real Voice

Tribunal intima Governo b...

Democracia e terrorismo: ...

A violência interna prati...

From Berlin to Baghdad

O alerta de Thérèse Delpe...

O "Che" versão Teerão

arquivos

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds