Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008

O petróleo, o dólar e a magia dos números

Paulo Casaca

É a Pitágoras que se atribui a concepção do mundo como derivado dos números, sendo a escola pitagórica largamente caracterizada por esse factor, apesar de serem muitos os domínios em que Pitágoras se afirmou como um símbolo histórico inultrapassável.

Nesta acepção do termo, continuamos todos a ser pitagóricos e, talvez por isso mesmo, ninguém ficou indiferente aos cem dólares por barril de petróleo assinalados com o novo ano de 2008.

Trata-se de um número que já tinha sido largamente descontado e também de um número que resulta não só da alta do petróleo mas como também da baixa do dólar, o que lhe retira grande parte do significado, mas que não deixa de nos impressionar.

O petróleo sobe, e com ele sobem também as matérias-primas agrícolas, como os cereais e a soja e também o ouro, conjunção que se tem observado nas últimas décadas, mesmo se com importantes desfasamentos temporais, e isso é bastante negativo para a economia portuguesa.

Pelo contrário, a descida do dólar, para uma economia como a portuguesa muito dependente de matérias-primas denominadas em dólares é mais uma boa notícia do que uma má notícia, dada a pequenez do nosso movimento exportador para a área dólar.

Indirectamente, e na medida em que a descida do dólar possa ser vista como negativa para a globalidade da economia europeia, ela poderá revelar-se também como negativa para o nosso país, porque ele reflecte acima de tudo o movimento económico registado na União Europeia.

Pela minha parte, não penso que a evolução que estamos a observar e que prolonga aquilo que se tem passado nos últimos anos seja necessariamente negativa.

O que me parece essencial é que esta evolução seja acompanhada dos passos seguintes:

(1) Substancial reforço da energia inteligente, com mais produção económica com menos energia, com mais capacidade de utilizar energias alternativas e fundamentalmente renováveis;

(2) Continuação e possível reforço da capacidade de recirculação de excedentes económicos por parte do Médio e Extremo Oriente de forma produtiva na economia mundial;

(3) Reforço dos mecanismos multilaterais de cooperação e comércio sem reinício de guerras comerciais ou proteccionismos;

(4) Funcionamento das flutuações cambiais como mecanismo corrector de desequilíbrios permanentes, com a baixa do dólar a corrigir os excessos da economia americana, correspondendo a uma real valorização das moedas de países exportadores asiáticos como a China.;

Independentemente do cenário mundial, temos no entanto de ter em conta que, no contexto europeu, o Sul da Europa – e muito em particular Portugal – apresentam sintomas de uma crise de competitividade que não pode naturalmente ser respondida pela via cambial mas que também não encontra outra forma de resposta.

A permanência de défices comerciais externos muito significativos, agravados agora pelo movimento de invisíveis, onde vemos reflectida a realidade de termos cada vez mais imigrantes e de sermos mais devedores ao estrangeiro, é um desequilíbrio que não se pode eternizar, e para o qual temos de encontrar resposta numa dinamização económica que nos continua a faltar.

publicado por nx às 11:15
link do post | comentar | favorito

Colaboradores

Paulo Casaca
Walid Phares
Raymond Tanter
Thomas McInerney
Alireza Jafarzadeh
Matthias Küntzel

posts recentes

O petróleo, o dólar e a m...

arquivos

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds