Domingo, 30 de Dezembro de 2007

O "Helmandgate"

Paulo Casaca
[2007-12-29] No dia de Natal o Governo Afegão resolveu expulsar o Embaixador da União Europeia nesse país, bem como um diplomata britânico ao serviço das Nações Unidas. De acordo com o comunicado emitido pelas autoridades afegãs e com informação difundida pelo canal de televisão mais popular desse país – que denominou este escândalo de "Helmandgate" – os diplomatas europeus teriam sido interceptados com 150.000 dólares em numerário e a informação constante nos seus computadores portáteis indicaria que tinham acabado de fazer pagamentos a líderes talibãs de Musa Qala na província de Helmand que tinham planos para organizar ataques suicidas contra responsáveis políticos afegãos.

Em reacção ao desencadear deste escândalo – significativamente, não por parte da organização visada, que foi a União Europeia, mas da parte do Reino Unido e subsidiariamente dos EUA – vimos a defesa de uma política de contactos e negociações com os adversários afegãos com o objectivo de os desligar dos seus líderes, deixando por explicar as profundas diferenças de apreciação com as autoridades afegãs sobre o que se passou ou mesmo a lógica de toda a política subjacente a estas negociações.

Desde que o terrorismo moderno (ou seja, o terrorismo religioso e suicida, também designado por fanatismo islâmico ou jihadismo) apareceu na cena internacional através de uma fatwa do Ayatollah Khomeini, o Ocidente tem sistematicamente negociado com ele, sendo que a extensão e profusão dessas negociações são muito mal conhecidos pela opinião pública ocidental.

No Helmandgate confronta-se a palavra dos dirigentes afegãos, que insinuam que o negócio feito em nome da União Europeia se destinava apenas a comprar a protecção das forças ocidentais à custa das forças afegãs, com a palavra anglo-americana de que se tratava de separar esses elementos talibãs dos seus líderes, bem como com o ensurdecedor silêncio da Comissão Europeia, ao serviço da qual se encontrava o Embaixador expulso.

A ter em conta as informações difundidas por Waliullah Rahmani da Fundação Jamestown, poderemos chegar a breve trecho a conclusões sobre quem tem razão neste confronto, dado que os líderes talibãs de Musa Qala com quem os diplomatas europeus negociaram têm uma relação tribal umbilical com os líderes da tribo Alizai em Shaiban, no distrito de Bala Bulock na província de Farah, província fronteira com o Irão, a partir do qual a insurreição é comandada. 

Se, como os observadores afegãos prevêem, este continuar a afirmar-se como o principal foco da sublevação talibã, é natural que se conclua que é a sua leitura dos factos a que se revela verdadeira.

Em qualquer circunstância, seria bom que o Helmandgate fosse encarado como um escândalo europeu de primeiríssima ordem.

publicado por nx às 12:04
link do post | comentar | favorito

Colaboradores

Paulo Casaca
Walid Phares
Raymond Tanter
Thomas McInerney
Alireza Jafarzadeh
Matthias Küntzel

posts recentes

O "Helmandgate"

arquivos

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds